28/06/2011

Alckmin e José Aníbal participam de anúncio de R$ 1,3 bilhão de investimentos no setor de logística

O secretário de energia, José Aníbal, acompanhou o governador Geraldo Alckmin em evento de apresentação do projeto de investimentos de R$ 1,3 bilhão da Rumo Logística, empresa do Grupo Cosan, líder mundial em logística em exportação de açúcar e grãos. A maior parte desse investimento será na troca do modal rodoviário para o ferroviário no transporte do açúcar produzido na região centro-sul paulista ao porto de Santos. O evento ocorreu em Sumaré, na região metropolitana de Campinas, nesta terça-feira, dia 28.

Dos R$ 1,3 bilhão que serão investidos até 2014, R$ 400 milhões serão em 50 locomotivas e 729 vagões novos, R$ 590 milhões para quadruplicar a capacidade de transporte de cargas para o porto de Santos e R$ 340 milhões nos terminais portuários e do interior, aumentando a capacidade de armazenagem e melhorando as condições de embarque. Por exemplo, a cobertura dos terminais permitirá o embarque de açúcar nos 120 dias chuvosos do ano registrados na região.

Outro anúncio feito na ocasião foi o do início das obras do terminal de Itirapina (SP). Localizado estrategicamente em um ponto que atende todas as linhas ferroviárias existentes na região, o novo terminal receberá um aporte de R$ 200 milhões em investimentos. Com os investimentos serão gerados mais 2 mil empregos (diretos e indiretos) aos 1,4 mil atuais.

Com esses investimentos a Rumo poderá transportar 11 milhões de toneladas de açúcar/ano e inverter, em sua rede, de 10% para 90% o uso da rodovia para a ferrovia. Isso significa a redução de cerca de 2 mil viagens de caminhões por dia na região metropolitana de São Paulo, o que, consequentemente, reduz a pressão viária no acesso a Santos e a emissão de CO2.

Esses investimentos beneficiam o setor sucroenergético paulista, que conta com 190 usinas e 14 mil fornecedores de cana, além de empregar cerca de meio milhão de pessoas. Os impostos e tributos recolhidos anualmente para o estado chegam a quase R$ 6 bilhões.

O governador Geraldo Alckmin disse na ocasião estar bastante feliz por ver que os investimentos buscam a melhoria da eficiência, a redução da poluição e estão alinhadas com a Política Estadual de Mudanças Climáticas de São Paulo, que prevê a redução de 20% das emissões de gás carbônico no estado até 2020. “Isso mostra que o Governo não deve fazer tudo, mas deve ser regulador e fiscalizador. E a iniciativa privada deve ter uma grande participação na questão da logística: seja transporte aeroviário, metroviário ou rodoviário, naval, enfim, os seus vários modais”, disse o governador. Alckmin também lembrou que o estado reduziu o ICMS de 25% para 12% do etanol.

José Aníbal, secretário de Energia, lembrou que na safra da cana de 2010/2011 foram gerados, a partir do bagaço de cana, 661 MW para a rede elétrica. “A bioeletricidade já responde por 8% da energia produzida no estado e queremos chegar a 5.500 megawatts de geração a partir do bagaço da cana”, disse.

O secretário informou ainda que o potencial energético de geração de eletricidade a partir do bagaço, da palha e pontas da cana de açúcar no estado de São Paulo é de 14.000 MW. “Isso equivale ao que é gerado na usina de Itaipu”. Aníbal lembrou que “apenas com geração a partir da cana o estado de São Paulo tem hoje 23 usinas em operação e outras 11 em construção”.