10/10/2011

Técnicos da Secretaria de Energia visitam central de aproveitamento energético de biogás

Belo Horizonte – A Secretaria de Energia do Estado de São Paulo busca referências de sucesso para aproveitamento de resíduos sólidos na geração de energia. Em função disso, no dia 29 de setembro, foi feita uma visita na Central de Aproveitamento Energético de Biogás do aterro de resíduos sólidos urbanos, em Belo Horizonte.

A Secretaria tem uma parceria para cooperação técnica, junto a EMAE, para a realização de atividades conjuntas voltadas ao desenvolvimento de estudos técnicos e econômicos de projetos de geração de energia elétrica a partir de aterros sanitários e/ou outras fontes de biogás e/ou biomassa. Essa parceria abre espaço para que as prefeituras do interior do Estado, por meio da Secretaria, apresentem projetos de geração de energia.

O aterro de Belo Horizonte tem características semelhantes à de cidades do Estado de São Paulo que tem potencial local para aplicação de centrais de aproveitamento de aterros.

Além do grande potencial que o Estado de São Paulo tem para gerar energia a partir de aterros urbanos, centrais deste tipo ainda evitam a emissão do metano (CH4) para a atmosfera. O metano é um dos maiores responsáveis pelo efeito estufa e é 21 vezes mais poluente que o dióxido de carbono (CO2).

O estudo identifica ainda os investimentos previstos, potencialidades do negócio e suas etapas de implantação, locais de instalação, receitas estimadas, forma de estruturação do financiamento e modelagem das participações e resultados esperados.

Para viabilizar eventuais contratos de programa, que poderão ser firmados entre a EMAE e os municípios, existe estudo de estruturação jurídica para uma possível composição de Empresa/Sociedade de Propósito Específico.

A central de BH

A área do aterro de Belo Horizonte é de 65 hectares e acumula 24.500.000 toneladas de resíduos. O investimento total do projeto é de R$ 25 milhões. A potência elétrica gerada atualmente é 4,6MW. A duração do contrato é de 15 anos.

Para a captação do biogás gerado pela decomposição dos resíduos depositados no aterro, foram implantados no corpo do aterro 169 poços verticais. Os poços são conectados por linhas de transporte secundárias a 13 estações de agrupamento, que coletam o biogás extraído pela rede de captação e convergem para tubulações principais onde são transportados até a estação de aspiração.

Na central de aspiração e controle, o biogás é enviado a dois flares (queimadores de biogás) de alta temperatura com uma capacidade de queima total de 10.000 Nm³/h ou para combustão nos conjuntos motogeradores de eletricidade.