25/11/2011

Governo de SP quer constituir núcleo de trabalho com a Petrobras

O secretário de Energia, José Aníbal, e o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, participaram nesta sexta-feira, dia 25 de novembro, de café da manhã com o presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli. Estiveram  na reunião o senador Eduardo Suplicy, deputados estaduais e deputados federais da bancada paulista. O governo quer um acordo formal de parceria de investimentos com a Petrobras.
José Aníbal apresentou as propostas do Programa Paulista de Petróleo e Gás Natural (PPPGN), que tem por objetivo internalizar os benefícios econômicos e sociais, minimizar e controlar os impactos ambientais e sociais, além de desenvolver e consolidar a inteligência nos negócios do petróleo e gás natural em São Paulo.
“Nós queremos melhorar ainda mais nossa relação com a Petrobras e ampliar as possibilidades que decorrem da exploração do petróleo e gás na bacia de Santos”. O secretário evidenciou ainda os pontos fortes do estado como logística, parque industrial e qualificação de pessoal.
“As melhores oportunidades para nós são: dar mais unicidade na negociação entre São Paulo e Petrobras para ser mais produtiva e desenvolver todo know how que São Paulo já tem hoje. O Investe São Paulo e a própria Secretaria de Energia são agentes do governo qualificados para operar nessa direção.”
O secretário abordou ainda o propósito de antecipar e priorizar o estabelecimento da base de apoio logístico offshore em Santos e Guarujá. “Queremos que aquilo que vem sendo feito por outras regiões do Brasil seja cada vez mais concentrado em São Paulo. Temos na retaguarda de Santos uma região fortemente desenvolvida que é o ABC e que carece de novos investimentos. Por isso gostaríamos que a base fosse se consolidando em Santos e Guarujá.”
O governador Geraldo Alckmin abordou a importância de outra das propostas solicitadas que é a instalação em São Paulo de um Cenpes (Centro de Pesquisa da Petrobras) complementar ao do Rio de Janeiro.
“O Cenpes é importantíssimo e eu vejo todas as condições para que isso ocorra. Nós temos o IPT que é o Instituto de Pesquisas Tecnológicas, instituição secular e grande parceiro da Petrobras nos estudos e ensaios em águas profundas. Temos as universidades, a Unesp e agora a USP com a Poli na Baixada Santista.”
O governador falou ainda da posição de São Paulo com relação aos royalties. “A nossa posição é quanto ao projeto original, que nós temos hoje. São Paulo perde com o texto aprovado pelo senado federal. Mas esse é um tema do parlamento, o importante aqui foi a discussão em relação aos grandes investimentos da Petrobras ao longo do próximo quatriênio aqui do estado de São Paulo.”
O presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, falou em sua apresentação sobre os investimentos da empresa no Estado de São Paulo. “Demonstramos que nossa participação em São Paulo já é razoavelmente grande, nós temos hoje 138 mil barris/dia de capacidade de destinação nas quatro refinarias de São Paulo, temos presença no mercado de distribuição e derivados, participação na área de gás e no centro-oeste como Gás Brasiliano.”
“A perspectiva de crescimento vai além do Pré-sal, à medida que a bacia de Santos apresenta várias oportunidades de modelo geológico distintos. No sul de São Paulo, temos nas águas rasas grandes descobertas de petróleo de alta qualidade, no norte da bacia possibilidade de modelos mais tradicionais e temos o Pré-sal que é principal fonte de crescimento da Petrobras na região.”