03/04/2012

Conferência aborda geração de energia a partir de fontes alternativas

O secretário de Energia, José Aníbal, participou hoje, no Palácio dos Bandeirantes, da Conferência Brasil, Itália e África pela produção sustentável de biocombustíveis e o papel do Estado de São Paulo. Na sua apresentação, o secretário afirmou que São Paulo tem a legislação ambiental mais avançada do mundo, com meta de reduzir as emissões no Estado em 20% até 2020, além de possuir uma matriz energética limpa, baseada na hidroeletricidade e na biomassa.

Para o secretário, o problema da biomassa no Brasil se deve pela falta de política para o desenvolvimento. “Os leilões do ano passado provam que o modelo está errado. Queremos leilão regional e por fonte. Só venderam energia eólica. Esse tipo de estímulo não deveria se contrapor ao desenvolvimento de energia derivada da biomassa de cana. O país tem potencial de milhares de megawatts de cana, bagaço e palha, e só vendeu eólica. O estímulo é fundamental.”

O governo de São Paulo, segundo o secretário, está fazendo a sua parte. “Com o propósito de estimular a geração de energia excedente, São Paulo fez a desoneração para o retrofit do setor sucroalcooleiro. Iniciamos em março de 2011. O resultado foi pequeno não por falta de matéria-prima, mas porque estamos gastando mal a matéria-prima, tanto o bagaço como a palha de cana. Não temos preço para vender energia gerada por biomassa no Brasil.”

O secretário abordou ainda a questão dos resíduos sólidos. “Nós estamos muito lerdos no processamento de resíduos sólidos. Por preconceito ou falta de informação. No mundo já são mais de 1.000 plantas. A Itália se esforça para a questão da geração distribuída, nós estamos nos esforços preliminares.”

Estiveram presentes no evento o embaixador da Itália no Brasil, Gherardo La Francesca, o ministro do Meio Ambiente, Terra e Mar da Itália, Corrado Clini, a secretária de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Mônica Bergamaschi, e o secretário-executivo do Ministério do meio Ambiente do Brasil, Francisco Gaetani.