18/04/2012

Secretaria realiza 9ª reunião do Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural

A Secretaria de Energia, por meio da subsecretaria de Petróleo e Gás, organizou nesta quarta-feira a 9ª reunião do Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural (CEPG). Estiveram presentes no evento o secretário-adjunto, Ricardo Achilles, o subsecretário de Petróleo e Gás, Henrique Gross, o subsecretário de Energias Renováveis, Marco Antonio Mroz, além de representantes do CEPG e do setor.

Na abertura dos trabalhos, o gerente executivo de Marketing e Comercialização de Gás e Energia da Petrobras, Antonio Eduardo Monteiro de Castro, apresentou as Perspectivas de Suprimento do Mercado de Gás Natural para o Estado de São Paulo.

“A área de Gás e Energia da Petrobras investe com o objetivo de suprir o mercado e desenvolver o relacionamento com o estado de São Paulo”, afirmou Castro.

Entre outros temas, Castro abordou a Cadeia do Gás Natural (GN) no Brasil, a Produção e Reservas Provadas de GN nos dias atuais e a capacidade de regaseificação da oferta de GNL.

Com relação à segurança e flexibilidade de suprimento, o gerente da Petrobras detalhou os investimentos na ordem de US$ 15 bilhões, realizados entre 2007 e 2011, em logística na integração das malhas. No cenário previsto para os próximos anos, falou dos investimentos na construção de novos pontos de entrega de GN como Pindamonhangaba II, São Bernardo do Campo II, Guaratinguetá e Caçapava.

O secretário-adjunto Ricardo Achilles trouxe para o debate a questão da cogeração distribuída. “A questão da cogeração distribuída, em minha opinião, é uma questão de infraestrutura urbana e eficiência energética. A nossa estrutura elétrica atual talvez não seja mais adequada para atender empreendimentos como os existentes em São Paulo que pedem potência de 40 MW. Nós temos uma estrutura de gás disponível para atendê-los.”

“A cogeração distribuída em um empreendimento não tem perda na distribuição e produz dois tipos de energia a partir do mesmo insumo. Isso eleva a eficiência energética aos 70%. A cogeração passa a ser uma alternativa para compor o rol de opções”, completou Achilles.

Segundo Ricardo Achilles, é papel do CEPG pensar formas para trazer o gás para outras atividades, seja em cogeração, seja em indústria, substituindo o diesel e o óleo combustível. “Acho que esse é o desafio. Acredito que o Conselho é o instrumento para essa discussão.”

Na reunião foram apresentados os informes das visitas das delegações do Governo do Texas e da Prefeitura de Houston, dos protocolos firmados com a Petrobras e a Saipem do Brasil, dos cursos em elaboração para o setor de P&G, do seminário da Cetesb sobre “Respostas a Derrames de Óleo no Mar” e do seminário do Observatório Celso Furtado “Royalties do Petróleo”.

Na reunião foi divulgado o lançamento do Relatório de Atividades de Petróleo e Gás 2011, já disponível na área de downloads do site da Secretaria de Energia, que teve a área de P&G reformulada.

As apresentações do CEPG estão disponíveis no site da secretaria em: www.energia.sp.gov.br/portal.php/downloads_cepg