25/05/2012

Secretário fala dos desafios da bioenergia durante eventos em Sertãozinho

O secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, esteve nesta sexta-feira em Sertãozinho, na região Nordeste do Estado, em dois eventos relacionados ao setor sucroenergético.

Na abertura do seminário “Gargalos da Cadeia Produtiva Sucroenergética e a Conjuntura Econômica Brasileira”, Aníbal afirmou que o setor vive um grande desafio e, ao mesmo tempo, uma grande oportunidade.

“Nossa proposta, prevista no Plano Estadual de Energia, é chegar em 2020 com 69% da matriz renovável. Preparem-se para plantar mais cana-de-açúcar e investir no aumento da produtividade para gerar mais energia”, aconselhou o secretário, a uma plateia composta por 300 pessoas, a maioria do setor industrial.

O evento foi promovido pelo Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis (CEISE Br) e pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP Sertãozinho).

Para atingir essa meta, a energia gerada a partir do bagaço de cana precisa crescer dos atuais 33,5% para 46%. “Nossa expectativa ambiciosa é chegarmos a uma Itaipu de energia cogerada até 2020”, disse.

Segundo Aníbal, o governo de São Paulo tem sido um grande parceiro. “Uma das primeiras medidas foi isentar totalmente o setor para estimular o retrofit para a modernização das caldeiras, por exemplo”, lembrou.

Ele destacou a importância de criar uma interlocução mais frequente entre o governo e o setor produtivo. E lembrou que todo esse incremento proposto demanda recursos. “O setor vai precisar de financiamento para expandir a produção e o processamento da cana.”

Homenagem

Em seguida, José Aníbal esteve na cerimônia em homenagem a empresas e entidades que participaram, 25 anos atrás, do início da comercialização da energia a partir da biomassa da cana-de-açúcar.

Organizado pela União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA), o evento foi realizado na Usina São Francisco, do Grupo Balbo. Aníbal foi incumbido de entregar ao presidente da Usina São Francisco, Clésio Antônio Balbo, uma placa em homenagem à data comemorativa.

Em seu discurso, o secretário salientou a relevância dos investimentos feitos em inovação para que fosse possível gerar energia elétrica “limpa”, feita a partir da biomassa de cana. “Da mesma forma, a área de inovação vai nos permitir ter uma matriz energética cada vez mais limpa em São Paulo. Estou convencido que a bioenergia ainda vai ser responsável por mais da metade do faturamento das usinas do setor”, projetou o secretário.