25/07/2012

Subsecretário de Mineração fala de sustentabilidade durante encontro em Sorocaba

O subsecretário de Mineração, José Fernando Bruno, participou nesta quarta do Encontro Regional dos Produtores de Brita, em Sorocaba.

Bruno abriu sua apresentação falando do papel da subsecretaria de Mineração, que surgiu da necessidade de interlocução institucional do setor com o governo estadual. “Para ilustrar a importância do setor, a região metropolitana de São Paulo, no que se refere ao abastecimento de areia e pedra, é uma Argentina e meia que precisa ser abastecida diariamente. Imaginem a logística para tudo isso. Por isso é tão importante um interlocutor no estado.”

Em relação às compensações ambientais da atividade, Bruno salientou que o empresário de mineração não se nega a custeá-la. “O que o empresário quer é uma resposta firme para que ele possa fazer o investimento e não correr o risco de não ter aprovada a sua pedreira, ter negada uma licença ou outro tipo de documento. Esse é um papel muito importante do estado, dar garantias ao investidor.”

“Alega-se que o setor minerário nunca se preocupou com a questão da sustentabilidade. Não é verdade. Busquei um exemplo perto da minha região, em Poços de Caldas, onde tem aquela mina de bauxita, produtora de alumínio, que foi licenciada há 45 anos. Um grupo de ingleses fez todo estudo de impacto ambiental e, já naquela época, estava especificado o que se faria para dar o equilíbrio ambiental onde a mineradora fazia a exploração.”

O subsecretário adiantou que está em fase de execução, com previsão de término para dezembro de 2012, o mapa da produção minerária no estado.

Segundo o subsecretário, a região metropolitana de São Paulo consome, todo mês, 3 milhões de toneladas de brita e que existem nesta área sérias restrições para implantação de pedreiras. “Não podemos transferir para a população o custo do transporte. Isso precisa ser corrigido. Temos que acertar com os órgãos ambientais um ajuste para que estas atividades econômicas floresçam na região metropolitana de São Paulo.”

Com o intuito de buscar alternativas para a participação do setor em toda cadeia de ações, a subsecretaria preparou 3 resoluções conjuntas com as Secretarias de Meio Ambiente, de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia e de Desenvolvimento Metropolitano.

“Nós precisamos estar inseridos no contexto de toda discussão ambiental daquilo que possa otimizar e racionalizar o processo de licenciamento e o processo de zoneamento territorial no estado São Paulo”, afirmou Bruno.