16/08/2012

Conteúdo local em debate na 11ª reunião do CEPG

A Secretaria de Energia organizou nesta quinta, dia 16, a 11ª reunião do Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural de São Paulo (CEPG).

Paulo Alonso, coordenador do Programa de Mobilização da Indústria Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp) e assessor da presidente da Petrobras, fez apresentação sobre a “Política de Conteúdo Local da Petrobras e Prominp” aprovada pelo Conselho de Administração da estatal em dezembro de 2011.

“Começo essa apresentação com o pensamento da presidente da empresa: valorizo o conteúdo local possível e o rejeito com base puramente nacionalista.”

“Como entendemos esse conceito. Eu preciso de um conteúdo local factível de ser obtido com a potencialidade de nossa indústria, tendo em vista as exigências técnicas dos nossos requisitos e tendo em vista o prazo do meu empreendimento. Quando eu consigo solucionar esse sistema de três equações, eu tenho o que nós chamamos de conteúdo local possível.”

Alonso pontuou quais são os três requisitos básicos para chegar ao conteúdo local. “Primeiro são as especificações técnicas destas sondas, os requisitos técnicos, o grau de severidade dos seus sistemas onde isso deve operar; a segunda variável é a capacidade de nossa indústria de atender esses requisitos; e a terceira variável é o prazo do meu empreendimento, como é que eu espero que a indústria atenda esses requisitos.”

“Devemos maximizar o Conteúdo Local em base competitiva e sustentável, acelerando o desenvolvimento dos mercados onde atua e serem pautados pela ética e geração continuada de inovação.”

Alonso, que é coordenador do Prominp, falou da gestão e dos objetivos do programa, de sua estruturação, do plano de negócios e os investimentos da estatal, da carteira de projetos, entre outros temas.

Ele ressaltou a posição da empresa em relação à percepção externa da política da empresa. “A Política de conteúdo local tem suscitado muitos debates na indústria. As repercussões no exterior, mais uma vez, é de que o governo brasileiro adota outra política protecionista. Nós temos revidado esse tipo de percepção por parte dos investidores estrangeiros”.

A reunião contou ainda com a presença de Augusto Farias, assessor da presidência da Petrobras e coordenador pela estatal no Comitê Executivo previsto no Protocolo de Intenções assinado junto ao governo de São Paulo.

Para acessar as apresentações do CEPG, clique aqui.