10/09/2012

Rede elétrica paulista

O Estado de São Paulo acrescentou quatro novas subestações de grande porte no sistema de transmissão que abastece a rede de distribuição de energia elétrica em 2012. Juntas, Piratininga II, Salto, Jandira e Itatiba totalizam o montante de 3,6 mil MVA de potência instalada, beneficiando uma população equivalente a 6 milhões de pessoas, um recorde para os últimos 20 anos.

As realizações não param por aí: está prevista para este ano – possivelmente ainda para setembro – a energização da subestação Atibaia, com potência de adicionais 400 MVA. Com investimentos próximos a R$ 450 milhões, todas essas novas subestações visam dar confiabilidade ao serviço de transmissão de energia e aumentar a flexibilidade operacional. Mais do que isso, permitem a ampliação da malha elétrica e, assim, o atendimento ao crescente consumo de energia, impulsionado pela força da economia paulista e pelo aumento da renda per capita dos seus moradores.

Desde a implementação da Secretaria de Energia, no início de 2011, nossa equipe vem trabalhando firmemente nos desafios de fazer cumprir os planos de obra definidos para o Estado e que vinham sofrendo atrasos sistemáticos. Neste sentido, estamos trabalhando no planejamento de longo prazo para o atendimento elétrico aos grandes centros urbanos, já que eles respondem por 80% do consumo.

Outra importante medida adotada nesse período foi o avanço da implantação do Eletroanel, conexão de terminais que possibilita a transferência de carga entre as subestações que abastecem a região metropolitana de São Paulo. Essa ação não aumenta a potência instalada, mas dá uma enorme flexibilidade e segurança à rede.

O Eletroanel permite o reestabelecimento da energia elétrica para os consumidores, em caso de emergência, de forma automática ou instantânea.

A Secretaria de Energia acompanha de perto as obras em andamento e participa ativamente de grupos de trabalho que estudam a necessidade de novas fontes ou de reforços na rede de energia, sempre em busca de melhorias no sistema. Recentemente, por exemplo, um desses levantamentos foi finalizado e recomendou a implantação de duas novas substações no litoral paulista, uma na Praia Grande e outra na região do Guarujá.

Vale ressaltarmos que boa parte da geração dessa energia consumida no Estado provém da nossa Companhia Energética de São Paulo (CESP), que foi constituída com o esforço e o empenho de todo o povo paulista.

Os investimentos feitos na empresa ao longo de todas essas décadas deram o suporte necessário para viabilizar o desenvolvimento do nosso Estado. A CESP tem hoje seis usinas, que somadas têm potência instalada de 7.455 MWh, 61% da energia de São Paulo e 11,5% do Brasil. Trata-se de um grande patrimônio, que orgulha a todos nós.

Por tudo isso, podemos afirmar com tranquilidade que a rede elétrica paulista está cada vez mais segura e confiável. Nosso compromisso é garantir que seja entregue um serviço com qualidade à população e às empresas.

José Aníbal é economista e secretário estadual de Energia de São Paulo