30/04/2013

Subsecretário de Petróleo e Gás comenta impactos do pré-sal no litoral paulista

O subsecretário de Petróleo e Gás do Estado, Ubirajara Sampaio de Campos, representou o secretário José Aníbal no Seminário Brasilianas, que discutiu os impactos do pré-sal na região metropolitana de Santos.

Campos lembrou que desde o anúncio do pré-sal, em 2007, o Estado de São Paulo se atenta para assumir um papel institucional no setor.

Para o período 2013 a 2017, são esperados investimentos na área de petróleo e gás da ordem de US$ 9,5 bilhões. O litoral paulista deve receber US$ 78 bilhões, entre 2010 e 2025.

De acordo com o subsecretário, a intenção do governo é colocar o Estado como referência para o desenvolvimento de petróleo e gás. “No médio e longo prazo, a indústria só vai se consolidar se pudermos trazer inovação”, ele afirmou.

Ele explicou que o planejamento de São Paulo leva em conta a experiência internacional, que mostra que a disseminação e perpetuação da riqueza petrolífera é maior quanto mais amplo e diversificado for o envolvimento dos setores produtivos no ciclo, como fornecimento de bens e serviços, inovação e aumento da competitividade.

“Quanto mais mão de obra local e regional é absorvida, mais sólida e equilibrada é a disseminação dessa riqueza nas diversas camadas da sociedade”, completou Campos.

Também para garantir o desenvolvimento, foi instituído em 2009 o Programa Paulista de Petróleo e Gás, que planeja diversas ações para garantir o desenvolvimento sustentável local do setor.

Entre elas está o CEPEG (Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural), coordenado pela Secretaria de Energia, com participação de outras secretarias estaduais, prefeituras e entidades de classe, que por meio de comitês técnicos prepara análises e subsídios técnicos para avaliar a evolução e os impactos da exploração em São Paulo.