18/07/2013

São Paulo planeja desenvolvimento econômico sustentável no Estado com 69% de renováveis na matriz energética

O governo do Estado lançou nesta quinta-feira (18) o “Plano Paulista de Energia”, que propõe políticas públicas para o desenvolvimento sustentável do Estado de São Paulo, com foco em energias renováveis e eficiência energética.

O PPE projeta aumento da participação de fontes renováveis na matriz energética do Estado: a presença dessa energia deve aumentar dos atuais 55% para 69% até 2020 –uma meta alinhada à PEMC (Política Estadual de Mudanças Climáticas).

“É um plano inovador que estabelece as nossas metas para aumentar a energia renovável”, disse o governador Geraldo Alckmin, no lançamento.

José Aníbal, secretário de Energia, explicou que uma importante centralidade do PPE é bioenergia produzida a partir do bagaço e palha de cana. Ele lembrou as vantagens dessa produção para o Estado.

“É uma energia gerada nas unidades de produção de açúcar e álcool, no centro de carga, sustentável e renovável.”

De acordo com o PPE, até 2020, São Paulo pode ampliar o potencial instalado de bioeletricidade de cana dos atuais 4,8 mil MW para 13 mil MW, com investimentos de R$ 28 bilhões, oriundos da iniciativa privada.

Integrante do Conselho Estadual de Política Energética (CEPE), o professor José Goldemberg falou no evento sobre importância da iniciativa de São Paulo em produzir o PPE. “Há um esgotamento progressivo dos combustíveis fósseis em todo o mundo, com reflexos graves para saúde e meio ambiente”.

As propostas do PPE foram organizadas nos eixos temáticos eletricidade, biocombustíveis, eficiência energética e gás natural. A geração eólica e fotovoltaica também deve contribuir para a ampliação da matriz renovável no Estado.

O plano também propõe ainda criar a disciplina de Eficiência Energética e Uso Racional da Energia Elétrica na rede pública e estimular a construção civil eficiente, por meio da introdução de requisitos de eficiência nos códigos de obra.

A íntegra do “Plano Paulista de Energia” pode ser acessada aqui.