29/10/2013

Secretário de Energia de São Paulo participa do VII Congresso de Municípios do Noroeste Paulista

O VII Congresso de Municípios do Noroeste Paulista ocorreu em Olímpia na última sexta (25), e recebeu prefeitos e gestores públicos de mais de 130 municípios da região, membros da Associação dos Municípios da Araraquarense (AMA), organizadora do evento.

Convidado para falar sobre energia e desenvolvimento sustentável, o secretário de Energia do Estado de São Paulo, José Aníbal criticou o aumento da utilização de gasolina combustível nos veículos, que retornou aos patamares de 61%, os mesmos verificados em 2000, mostrando que a política equivocada do governo federal no setor levou à diminuição dos avanços obtidos pelo etanol na última década. Em 2009, apenas 43% dos carros utilizavam gasolina.  Segundo o secretário, a manutenção dos preços fixos do combustível fóssil fez com que o etanol perdesse competitividade, prejudicando esta e outras regiões que concentram grande parte da produção de etanol no Estado de São Paulo. “Uma política absolutamente irracional”, disse.

O secretário também apresentou um quadro comparativo da participação de energias renováveis nas matrizes energéticas. No mundo é de 12,5%, no Brasil 45,5% e atinge 55,5% no estado de São Paulo. “O Brasil tem a matriz mais limpa do mundo e no país e São Paulo é um dos primeiros”, afirmou. Segundo o secretário, a meta para 2020 será a expansão das energias renováveis para 69% da matriz, em conformidade com o Plano Paulista de Energia e com a Política Estadual de Mudanças Climáticas, que prevê redução de 20% na emissão de gases de efeito estufa, em relação a 2005.

Aníbal deu especial atenção à transferência dos ativos de iluminação pública (IP) das concessionárias para os municípios, prevista para ocorrer no início de 2014. “Iluminação pública deve ser encarada como uma boa oportunidade porque significa segurança e qualidade de vida”, disse o secretário, referindo-se ao fato de que a transferência dos ativos para os municípios poderá ser um bom desafio aos gestores.

Segundo ele, 17 municípios da região entre os 136 associados da AMA já assumiram integralmente os ativos de IP. “Este é um bom exemplo a ser seguido”, disse.