13/11/2013

Secretaria de Energia de SP e Ministério de Minas e Energia criam grupo de trabalho para discutir indenização da CESP

O secretário de Energia do Estado de São Paulo, José Aníbal, conseguiu que os valores referentes ativos não amortizados da usina hidroelétrica de Três Irmãos, da Companhia Energética Paulista (CESP) voltassem a ser discutidos pelo governo federal, na busca de uma convergência de valores.

Um grupo de trabalho foi formado com representantes da Secretaria de Energia, do Ministério das Minas e Energia (MME), da Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para aprofundar a análise do cálculo apresentado pelo governo federal referente à indenização que será paga à CESP.

A criação deste grupo de trabalho foi decidida após encontro entre o secretário José Aníbal e o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão realizado nesta terça-feira (12), em Brasília.  A primeira reunião está marcada para amanhã, quinta-feira (14), também em Brasília.

A primeira proposta da Aneel foi de um pagamento de R$ 1,7 bilhão, bem inferior aos R$ 3,8 bilhões calculados pelos técnicos da CESP.  Para o secretário, a primeira proposta apresentado pelo governo federal é aleatória e não leva em conta investimentos importantes feitos pela CESP na administração da hidroelétrica, como a construção de um canal e de eclusas, além da remoção dos habitantes do local e da manutenção de uma reserva ambiental, para preservar animais ameaçados de extinção.

Aníbal afirma que sua posição em cobrar estes valores é uma forma de preservar os recursos que o povo de São Paulo colocou na CESP. “Essa remuneração não é da CESP, mas pertence ao povo de São Paulo”, afirma.