22/11/2013

Secretaria de Energia e Fapesp se unem para consolidar rede mundial de pesquisa de renováveis

O secretário da Energia do Estado de São Paulo, José Aníbal e o presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), Celso Lafer, assinaram, nesta terça-feira (19), Protocolo de Intenções de cooperação com a Fapesp para apoiar a consolidação da Rede Mundial em Energias Renováveis, Eficiência Energética e Conservação de Energia dos Estados Líderes Regionais. A Secretaria de Energia é coordenadora desta iniciativa, juntamente com a Assessoria Especial para Assuntos Internacionais do governador Geraldo Alckmin.

A rede reunirá especialistas de universidades, institutos de pesquisa e empresas de 7 Estados líderes regionais:  Alta Áustria/Áustria; Baviera/Alemanha; Cabo Ocidental/África do Sul; Geórgia/Estados Unidos da América; Québec/Canadá; São Paulo/Brasil e Shandong/República Popular da China.

Os especialistas irão criar projetos comuns de pesquisas e desenvolvimento de novos produtos em energias renováveis. Aníbal ressaltou a importância da política paulista em apoiar a pesquisa e o desenvolvimento nessa área que contribuirá para o cumprimento da meta do Plano Paulista de Energia, de alcançar em 2020, a participação de 69% de energias renováveis na matriz energética paulista.

A assinatura do protocolo de intenções contou com a presença do diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz, e do físico José Goldemberg, Sidnei Martini, Ildo Sauer, representantes do Conselho Estadual de Políticas Energéticas, do secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia do Estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, além de especialistas do IPT, Unicamp, IEE-USP que compõem a rede.

Durante o evento, Aníbal ressaltou a importância da política paulista em apoiar a pesquisa e o desenvolvimento de energia renovável em um momento onde o governo federal  beneficia a utilização de gasolina nos automóveis,  elevando as emissões de dióxido de carbono veicular.

Para o físico José Goldemberg, a REDE ER permitirá que a pesquisa científica e tecnológica ultrapasse os limites da universidade e das empresas e seja vista também como política pública.  O grande trunfo da REDE ER é a possibilidade de colaboração entre pesquisadores de fontes renováveis do mundo todo, segundo o diretor científico da Fapesp, Carlos Henrique de Brito Cruz.  Segundo Brito, um workshop será realizado em fevereiro na Cidade do Cabo, na África do Sul, para que os principais pontos de pesquisa da REDE sejam definidos.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciências e Tecnologia do Estado de São Paulo, Rodrigo Garcia, ressaltou o papel do secretário de Energia José Aníbal como protagonista na defesa do Estado de São Paulo contra os abusos regulatórios do governo federal. “Além disso, o secretário está pensando no futuro energético do Estado”, disse.