13/05/2014

Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural discute os desafios para a implantação do Centro Tecnológico da Baixada Santista

A Secretaria de Energia realizou nesta terça-feira,13, mais uma reunião do Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural (CEPG) para discutir os desafios da ampliação das atividades de pesquisa e inovação da cadeia de petróleo e gás no estado de São Paulo.

De acordo com o Subsecretário de Petróleo e Gás da Secretaria de Energia, Ubirajara Sampaio de Campos, os grandes desafios são o desenvolvimento da cadeia de fornecedores paulistas, a qualificação do capital humano e a mitigação dos impactos regionais da exploração do pré-sal no Estado de São Paulo. Segundo Campos, o Conselho Estadual de Petróleo e Gás Natural – CEPG vem debatendo e disponibilizando informações para ajudar a indústria e a conscientização da população “A publicação do sumário executivo tem a finalidade de mostrar as particularidades da indústria no Estado, definir prioridades e ajudar a formar massa crítica em toda população”.

“São inúmeros os desafios para a exploração de petróleo na Bacia de Santos, mas as universidades estaduais paulistas possuem competências para isso” afirmou o professor do departamento de Engenahria Naval e Oceânica da Escola Politécnica Kazuo Nishimoto. Segundo o professor essas Universidades são responsáveis por 45% da produção científica brasileira e formam o chamado corredor do conhecimento, que vai de Ribeirão Preto a São José dos Campos. “São exemplos de centros de excelência na área de petróleo e gás o Centro de Rochas Carbonáticas na Unesp de Rio Claro, o Cepetro da Unicamp, o Centro de Engenharia Oceânica e Naval da USP e o Instituto de Pesquisas Tecnológicas, IPT” completou Nishimoto.

Uma das principais frentes para o desenvolvimento é a integração das operações das atividades de exploração e produção, envolvendo a gestão da produção dos reservatórios, manutenção de poços e a operação e manutenção dos sistemas correlatos. Com o propósito de realizar pesquisas e promover o desenvolvimento nessas áreas foi estruturado o Centro Tecnológico da Baixada Santista (CTBS), uma iniciativa da USP, Unicamp e Unesp em parceria com a Petrobras. O centro, em implantação, será uma entidade de participação multi institucional, com atuação em vários temas tecnológicos contidos nos conceitos de sistema de operações integradas de exploração e produção no ambiente marinho de lâmina d’água ultra profunda e à grande distância da costa. Concebido com base nas necessidades da Bacia de Santos, seus resultados poderão ser adotados na exploração de bacias em todo o Brasil e mundo.

Participaram também da reunião representantes de outras secretarias de estado, universidades estaduais, ITA, Abimaq, ABCE, Abendi, Abraget, Ciesp, Sebrae-SP, Agem e prefeituras.

A apresentação do professor Kazuo Nishimoto está disponível aqui.