05/11/2014

Secretaria de Energia participa de evento sobre petróleo e gás

Importante evento do setor ocorreu nesta terça (4), no Expo D. Pedro no município de Campinas, realizado pelo Ciesp/Fiesp e Prefeitura Municipal.

Trata-se de exposição de produtos e serviços, seminários, cursos de aperfeiçoamento, rodadas facilitadoras de negócios na área e uma inovadora iniciativa de orientadores de financiamentos para o setor, extremamente importantes para as empresas no desenvolvimento de seus negócios. Essa iniciativa é uma oportunidade eficiente para a geração de negócios, difusão de conhecimentos técnicos e para o fomento da cadeia produtiva de petróleo, gás e da área naval.

A cadeia de petróleo e gás é um importante vetor de desenvolvimento econômico. Os países que melhor aproveitaram a riqueza do petróleo e gás (Noruega, Reino Unido, EUA) foram os que desenvolveram a cadeia de bens e serviços associada, gerando emprego e renda de qualidade. O estado de São Paulo, com seu parque industrial diversificado, possui grande potencial para se beneficiar do crescimento do setor. O governo de São Paulo, através de seus órgãos de governo e agências diversas, oferece ferramentas e incentivos para os empreendedores interessados em participar ou ampliar sua atuação na cadeia de petróleo e gás.

 

As descobertas na Bacia de Santos permitem desenvolver novos campos e aumentar a produção – o chamado pré-sal, colocando o país entre os potenciais maiores produtores de petróleo e gás do mundo. E a exploração do pré-sal demandará equipamentos com novas características, exigindo que as empresas invistam em novos produtos e serviços, numa ação de mercado em escala global. Atualmente cerca de 50% do fornecimento nacional para a indústria do petróleo é proveniente de empresas paulistas.

Em sua apresentação, o Secretário de Energia, Marco Antônio Mroz disse que o gás natural como insumo, é imprescindível para a indústria paulista e que, por isso, é preciso disponibiliza-lo ainda mais: “Circula em São Paulo 50 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. É muita coisa e, no entanto, a gente não pode usar alguma parcela, até para produzir energia, porque não temos gás suficiente, disponível para o estado de São Paulo”, disse Mroz. “Com as três distribuidoras que atuam em nosso estado, nós temos possibilidade de, até o ano de 2021, triplicar a oferta e fazer com o gás natural ofereça a independência energética para o estado de São Paulo”, ressaltou.