13/01/2015

Eletropaulo tem 10 dias para resolver cortes de luz em SP

A Agência Reguladora de Saneamento e Energia do Estado de SãoPaulo (Arsesp)deu um prazo de dez dias para a AES Eletropaulo resolver o problema de atendimento e abriu uma auditoria para verificar as operações da empresa. O trabalho, anunciado ontem pela Secretaria Estadual de Energia, foi motivado pelas frequentes quedas de energia na região metropolitana de São Paulo, desde aschuvas do dia 29 de dezembro.

A demora no atendimento de uma ocorrência no Hospital e Maternidade Amador Aguiar, em Osasco, na segunda-feira, também foi um fator que influenciou a realização da auditoria. A maternidade ficou dez horas sem luz, das quais cinco horas com o gerador. O equipamento apresentou falha e dois bebês que estavam em incubadoras precisaram receber ventilação manual. “A AES Eletropaulo fornecerá as informações solicitadas pela Secretaria de Energia”, disse a empresa.

Prejuízo. Uma série de quedas de energia causou transtornos e prejuízos a comerciantes da Alameda Raja Gabaglia, na Vila Olímpia, zona sul de São Paulo. O calvário começou com o temporal do dia 29 de dezembro, que derrubou mais de 500 árvores. A luz na região acabou e só foi restabelecida cerca de 50 horas depois, já no último dia de 2014. Desde então, segundo os comerciantes, houve pelo menos outras três interrupções. “Tivemos de jogar todos os produtos perecíveis no lixo, como frutas, frango e filé mignon”, afirmou José Dapistel, um dos proprietários do restaurante Baruk, que teve prejuízo de R$ 50 mil desde o dia 29.

Na zona leste da cidade, o empresário Francisco Fernandes Filho, de 71 anos, disse que sua fábrica de conexões de aço, na Rua Toledo Barbosa, no Belém, contabilizava ontem dois dias sem luz. “Aminha empresa tem 20 funcionários e está parada desdeas 16h30 da quarta-feira.” Ele teve de dar folga aos funcionários.

Publicado no Jornal “O Estado de São Paulo” em 10 de Janeiro de 2015 por: Paula Felix, Mônica Reolom e Felipe Resk