16/03/2015

Governo de São Paulo discute solução para cogeração de energia à biomassa

Nesta quinta, 12, os secretários de Energia João Carlos Meirelles e da Agricultura e Abastecimento Arnaldo Jardim, receberam na sede da Secretaria de Energia, autoridades do município de Sertãozinho e representantes das entidades empresarias e setoriais para discutir e propor soluções para acelerar a implantação de processos de cogeração à partir da biomassa de bagaço e palha da cana.

O encontro ocorreu na sede da secretaria com representantes da UNICA – União da Indústria de Cana-de-açúcar e empresários da cadeia produtiva do setor, que vieram trazer suas impressões, reunidas a partir de pesquisa própria, para eliminação de gargalos e para que o processo seja possível de viabilização rapidamente.

Dentre os problemas apontados, citaram a necessidade de isenção de ICMS para o retrofit dos equipamentos das usinas, próprios para geração de energia elétrica e as soluções de viabilidade técnica e também de investimentos para a conexão dos sistemas a rede de distribuição de energia no estado. Também consideram como necessárias as garantias de compra de energia, os leilões separados por fonte e por região, e alterações de regimes tributários para a palha da cana. A solução seria trabalhar nas condições de retrofit, na viabilidade de conexão e de transmissão de energia na rede de distribuição.

Estima-se que só no estado de São Paulo existam 70 usinas com capacidade de endividamento para receberem financiamentos, do BNDES, para a compra dos equipamentos necessários para produção de energia elétrica, que em média, custariam em torno de R$ 50 milhões em cada unidade operacional. E que esta operação poderia ser escalonada para ocorrer em pelo menos 20 usinas de cada vez.

Há consenso de que o setor não deverá crescer em sua demanda por etanol, pelos próximos cinco anos e a geração de energia a biomassa é solução para as dificuldades econômicas das usinas, atualmente.

Para o Secretário de Energia, João Carlos Meirelles, esta foi uma reunião de trabalho voltada para soluções: “Nós vamos enfrentar os problemas apontados e o que estiver ao nosso alcance, vamos resolver. Não é possível essa crise das usinas e o mercado com tanta necessidade de energia”, disse Meirelles.

O Secretário de Agricultura e Abastecimento, Arnaldo Jardim, considera que é necessário uma ação intergovernamental entre as secretarias de estado, governo federal e entidades: “Temos que encarar a situação com espírito de força tarefa e o governador de São Paulo já declarou a sua disposição para tal”, enfatizou Jardim.