30/06/2015

Secretaria de Energia participa das comemorações dos 128 anos do Instituto Agronômico (IAC)

O Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, instituição da Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo, celebrou nesta sexta-feira, 26, os seus 128 de existência, na sede da entidade, no município de Campinas.

As comemorações incluíram premiação a pesquisador, servidor de apoio, personalidade da extensão, agricultor e instituições externas. Além do tradicional Prêmio IAC, nesta edição de 2015, também foram entregues à Faculdade de Ciências Agronômicas da Unesp Botucatu, que completa 50 anos, e a Secretaria de Serviços Públicos do Município de Campinas, a medalha Franz Wilhelm Dafert.

O Prêmio IAC existe desde 1994 e é conferido ao reconhecimento do mérito científico e ao desempenho institucional de seus serviços. Também premia a até três pessoas físicas ou jurídicas que, externamente tenham colaborado com as atividades do instituto.

Na ocasião, também foi assinado acordo de cooperação técnica e científica entre o Instituto Agronômico e a Associação Agropolis International, instituição administrada pela comunidade científica regional de Languedoc-Roussillon, em Montpellier, na França, voltada a pesquisa agronômica e o desenvolvimento sustentável.

O acordo inclui também o Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL), o Instituto Biológico, a Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, da Prefeitura de Campinas, a Associetech Techno Park Campinas e a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), com a interveniência da Embrapa e do Consulado Geral da França em São Paulo.

Para o Secretário de Energia, João Carlos Meirelles, que também já ocupou o cargo de  Secretário da Agricultura e Abastecimento de São Paulo, o acordo terá bons frutos, pois as duas instituições estão sintonizada em propósitos comuns: ”O Agropolis é extremamente importante e faz parte de um esforço que estamos fazendo no Brasil, de trazer o conceito de parques tecnológicos. O Agropolis é um parque tecnológico baseado em ciência e tecnologia, sobretudo com vistas à pesquisa aplicada, que possa envolver a participação da cadeia produtiva. É aquilo que o IAC faz, como base de um processo produtivo, não apenas pela glória de produzir um pouco mais, mas pela qualidade do que se produz”, disse Meirelles.