12/08/2015

Redução na conta deve ser de 1% em setembro

A conta de luz deve ganhar o primeiro alívio deste ano a partir de setembro. O governo anunciou nesta terça-feira (11) que no próximo mês haverá uma redução no preço da energia, que ficará próxima de 1%, segundo estimativa do setor.

A presidente Dilma Rousseff disse que o governo vai começar a reduzir o valor da bandeira vermelha –tarifa adicional que é aplicada nas contas de luz quando há muita geração de energia por termelétricas, que é mais cara.

A previsão é que o valor da bandeira vermelha caia cerca de 15%, passando dos atuais R$ 5,50 por 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos para entre R$ 5 e R$ 4,50.

A redução foi possível porque na semana passada o governo mandou desligar 21 térmicas. Com isso, haverá uma economia de R$ 5,5 bilhões até o fim deste ano.

O ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, explicou que a redução é um primeiro passo para começar a baixar as contas. Mas, segundo ele, não há segurança para reduzir o nível da bandeira para amarela (o que custaria R$ 2,50 por kWh) ou verde (quando não há cobrança).

É necessário primeiro que os reservatórios de Nordeste, Sudeste e Centro-Oeste encham no próximo período molhado (a partir de outubro) e novas usinas e redes de distribuição fiquem prontas no tempo previsto, para que entre mais energia de custo baixo no sistema. Essas obras têm atrasado rotineiramente.

Plano reciclado

Em anúncio nesta terça, o governo reempacotou projetos para criar o Programa de Investimento em Energia Elétrica. A promessa é lançar até 2018 leilões de usinas de energia que seriam capazes de gerar entre 25 mil e 31 mil MW, além de 38 mil km de linhas de transmissão.

As sete principais hidrelétricas previstas, por exemplo, já foram estudadas e estão há alguns anos nos planos do governo. A construção delas, estimada em R$ 40 bilhões, estava em plano de 2014.