24/09/2015

Toledo abre o Salão de Veículos Elétricos em São Paulo

A eficiência energética e a preocupação com o meio ambiente foram os principais tema discutidos na abertura do 11º Salão Latino-Americano de Veículos Elétricos, realizada nesta quinta-feira, 24 de setembro, no pavilhão amarelo do Expo Center Norte.

Outro tema que dominou a cerimônia de abertura foi a política de incentivo a esse tipo veículo. “A política do Governo de São Paulo, contida na PEMC 2020, por meio de ações da Secretaria de Energia, é voltada para fomentar a diminuição das emissões. São ações diretas que propiciam a substituição na matriz por fontes renováveis, como isenções fiscais”, explica o secretário-adjunto de Energia do Estado de São Paulo, Ricardo Toledo.

O presidente da Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Veículos Automotores – ABEIVA, Adalberto Maluf, destacou a importância de fortalecer a nacionalização do produto. “O Brasil precisa ampliar, urgentemente, o mercado de veículos elétricos para justificar a produção local e não mais depender das importações do produto”, disse.

Segundo Toledo, não basta fomentar a produção de veículos elétricos se os condutores não tiverem onde abastecer. “Além de modernizar o uso das energias é preciso modernizar também a geração”, enfatizou.

O presidente da Associação Brasileira do Veículo Elétrico – ABVE, Ricardo Guggisberg, enfatizou a melhoria da qualidade dos veículos elétricos. “Tivemos um avanço significativo. Tradicionalmente, os motores a combustão tem níveis de eficiência que beiram os 40%, ao passo que a eficiência total em um veículo puramente elétrico fica em torno de 60%”, disse.

O vereador de São Paulo, José Police Neto, ressaltou a importância da substituição de derivados de petróleo por fontes mais limpas. “Nós buscamos hoje inovação para combater os malefícios causados ao meio ambiente, por práticas do passado relacionadas ao uso da matriz energética fóssil”, enfatizou.

O evento acontece entre os dias 24 e 26 de setembro, no Expo Center Norte, em São Paulo.

Sobre o Salão

A feira conta com um congresso cujas palestras abortam os temas: Ciclos elétricos e mobilidade urbana; O veículo elétrico como alternativa no modal urbano; Novas tecnologias em baterias, células de combustíveis; também discutirá Políticas públicas para o fomento à introdução de novas tecnologias automotivas; Visão, perspectivas e experiências na implantação de mobilidade elétrica e os impactos na infraestrutura atual e; Experiência, mercados e desafios para facilitar a introdução das novas tecnologias no mercado brasileiro.

O salão terá a presença de marcas como Porsche e BMW, com modelos Cayenne Hybrid e i3, o Renault Zoe, o JAC IEV, o Kia Optima Híbrido, o Kia Soul EV, o Toyota Prius e o Lexus CT 200h. Também será lançado o ônibus Dual da Mercedes-Benz e Eletra, primeiro veículo da categoria elétrico híbrido dual do Brasil.

Bicicletas elétricas, scooters e walk machines, das mais variadas marcas e modelos disponíveis no Brasil, também estão presentes no salão. Foi instalada uma pista de testes, em uma área do evento que reproduz uma cidade, onde o público poderá experimentar algumas novidades.

Mercado

O setor de veículos elétricos abrange desde empresas da área de produção e comercialização de energia elétrica até pequenos produtores de peças e equipamentos para veículos, em uma cadeia bastante dinâmica. Praticamente todos os grandes fabricantes de veículos automotores do mundo estão desenvolvendo esta tecnologia que utiliza total ou parcialmente a eletricidade.

Diversos países contam com programas de incentivos ao “carro verde” para favorecer a transição para tecnologias mais limpas e, segundo os organizadores do evento, o resultado foi um crescimento de 95% na frota global de veículos elétricos, que somava mais de 665 mil unidades no final de 2014 e que deve chegar a aproximadamente 20 milhões em 2020.

Desde 2005, o mercado de carros elétricos vem crescendo quase 25% ao ano, contra 3% do mercado de convencionais. Em 2011 as vendas globais do produto mal alcançaram as 50 mil unidades, e em 2014 elas ultrapassaram a marca de 300 mil veículos. O maior crescimento, no entanto, se deu entre 2012 e 2013 com aumento de 78% nas vendas de carro elétrico.

Apesar dos EUA representarem o maior mercado em termos absolutos, a maior participação relativa é da Noruega, com 12% de todos os licenciamentos em 2014. A China, que tem as energias limpas como estratégia de crescimento, tem em torno de 230 milhões de bicicletas elétricas circulando e está entre os três maiores mercados de veículos elétricos do mundo. No caso dos híbridos, o maior mercado é do Japão que, somente em 2013, licenciou mais de 900 mil veículos, ou 17,33% do total.

No final de 2014, no Brasil, existiam 3 mil veículos entre os híbridos e elétricos. O alto custo ainda é uma grande barreira, mas medidas como isenção do rodízio municipal em São Paulo e isenção total de IPVA nos estados do Ceará, Maranhão, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul e Sergipe, além do desconto de 50% neste imposto para os estados de Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo, colaboram para mudar esse quadro.