09/10/2015

Usina de tratamento de resíduos sólidos gera energia em Piracicaba e pode virar modelo para outras regiões

Gerar energia por meio do lixo. Isso já está acontecendo na empresa Ecoparque de Piracicaba, primeira PPP do Brasil voltada para a destinação e tratamento de resíduos orgânicos e inorgânicos. O secretário de Energia, João Carlos Meirelles, visitou nessa quinta-feira, 8 de outubro, o Ecoparque, onde conheceu o trabalho de coleta, tratamento e geração de energia.

“A destinação do lixo e a questão dos aterros sanitários são hoje grandes desafios dos centros urbanos. O Estado de São Paulo tem 97% da sua população vivendo nas cidades. O lixo pode deixar de ser um problema e virar uma fonte importante de geração de energia e Piracicaba sai na frente com esse modelo, que é um exemplo para o Brasil”, disse Meirelles.

Com investimento de R$ 250 milhões, a Central tem capacidade de tratar e transformar em biogás e CDR (Combustível Derivado de Resíduo), até 2.000 toneladas de lixo/dia. Piracicaba produz 400 toneladas de lixo por dia.

“Antigamente nós enterrávamos o lixo, agora nós queimamos e transformamos isso em gás. E também geramos vapor, que será destinado à indústria automotiva da região”, explica Gerson de Gruttola, presidente da Ecoparque.

Além da coleta de resíduos domésticos, a empresa promove o recolhimento da coleta seletiva (expandida para 100 % da área urbana e planos para a área rural), além do serviço de recolhimento de inservíveis Cata Cacareco e varrição de vias públicas, sacolões, praças e jardins.

Com o funcionamento da usina, a prefeitura deixou de pagar o valor próximo de R$ 1,2 milhão mensalmente para enviar o lixo de Piracicaba a Paulínia. Com isso, as atividades do antigo Aterro do Pau Queimado foram encerradas.

Em operação desde o meio do ano, a empresa é formada pelo consórcio das empresas Enob – Engenharia Ambiental Ltda. e Kuttner GMBH & CO.KG e está localizado no Bairro Palmeiras, rodovia Deputado Laércio Corte (SP-147).