09/11/2015

P&D estudará inclusão de sistemas de armazenamento de energia no Brasil

Programa está previsto para ser lançado no primeiro semestre de 2016

O diretor da Associação Brasileira de Armazenamento e Qualidade de Energia, Carlos Augusto Brandão, informou que a Aneel publicará no primeiro semestre de 2016 um programa de pesquisa e desenvolvimento destinado a estudar sistemas de armazenamento de energia no Brasil. A informação foi confirmada pelo Superintendente de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética da Aneel, Máximo Luiz Pompermayer.

Segundo Brandão, as tecnologias de armazenamento de energia é uma realidade no mundo e somam cerca de 1.345 projetos existentes, totalizando 186 GW de capacidade instalada. “O mundo já se envolveu com esses processos ao passo que o Brasil teve o pioneirismo da primeira usina reversível do mundo, que é Pedreira, de 1939. Nosso conhecimento em armazenamento de energia parou nisso”, disse Brandão.

A proposta do P&D é quantificar os benefícios das tecnologias de armazenamento de energia (usinas reversíveis, baterias) no Brasil. Os sistemas de armazenamento, por exemplo, podem prover energia de reserva em casos de falha na rede, auxiliar no atendimento da ponta ou substituir geradores a óleo dos sistemas isolados. Eles podem também permitir uma maior penetração da geração distribuída, bem como dar mais conforto ao desenvolvimento das fontes variáveis (eólica e solar).

“Não estamos propondo um P&D para falar de tecnologias ou discutir viabilidade, mas voltado para quantificar os benefícios no sistema brasileiro. Estudar sistemas de armazenamento para geração distribuída a nível de consumidor residencial, para que esse consumidor possa conhecer a tecnologia e analisar os custos e benefícios”, disse Brandão.

Os resultados esperados com o P&D são: consolidação do uso de diversas tecnologias em armazenamento de energia no Brasil; criação de um ambiente regulatório que permita o desenvolvimento desse novo negócio; criação de um banco de dados com performance e benefícios; desenvolvimento de processo padronizados de produtos e serviços; e retomar o desenvolvimento de usinas reversíveis no Brasil.