04/11/2015

Um condomínio térmico em São Paulo

A Emae espera assinar até o início de 2016 todos os contratos com agentes interessados em instalar sistemas de geração a gás numa área total de 120 mil m2, disponibilizada pela térmica Fernando Gasparian (386 MW), na capital paulista. Acabou em 2 de outubro o prazo da chamada pública por meio da qual a companhia ofereceu sua infraestrutura para a formação de parcerias.

O presidente da concessionária paulista de águas e energia, Luiz Carlos Ciochi, acredita que serão fechados os seis lotes oferecidos – com 20 mil m2  cada – onde cada empresa selecionada poderá instalar até 250 MW de capacidade.

Segundo o executivo, que participou do Energy Summit 2016, em São Paulo, o ideal seria que todo o pacote de 1,5 GW fosse fechado de uma só vez, a fim de possibilitar uma negociação mais vantajosa do fornecimento de gás natural com a Comgás.

Acrescentou, contudo, que a Emae está bem flexível quanto à configuração das plantas que poderão ser instaladas, inclusive porque as propostas apresentadas envolvem desde motores, passando por conjuntos aeroderivados, até turbinas do tipo heavy duty.

A construção das plantas, disse Ciochi, vai depender também dos resultados obtidos pelos empreendedores nos próximos leilões. Já que se trata de investimentos bastante elevados, não há como tornar viáveis as usinas sem contratos de longo prazo no mercado cativo. Pelo fato de o site ficar bem próximo de áreas residenciais e de vegetação, o licenciamento ambiental não será simples, admite o executivo, mas nada que inviabilize o projeto. A expectativa é que em cinco anos, no máximo, o complexo todo esteja em plena operação.

Em outra chamada, a Emae tem espaço na PCH Porto Góes – em Salto (SP) – para geração térmica de 10 MW. A empresa foi procurada por um empreendedor que quer colocar uma usina merchant no local. Por questão de transparência, optou-se por abrir a oportunidade ao mercado. Ciochi revela que, em 2016, a empresa deverá investir recursos próprios em projetos de geração fotovoltaica. Para tanto, deve dispor de outras áreas, o que inclui um amplo terreno em Cubatão, além de áreas junto dos reservatórios de suas usinas.