08/12/2015

Brasil prevê 9 GW em novas usinas de energia em 2016

O Brasil deve ampliar a capacidade instalada em usinas de geração de energia elétrica em ao menos 8,9 gigawatts em 2016, o que representa cerca de 6 por cento dos 139 gigawatts que o país somava em capacidade ao final de outubro, segundo boletim do Ministério de Minas e Energia divulgado nesta segunda-feira.

A projeção é ligeiramente inferior aos 9,1 estimados para 2016 na última versão do boletim, divulgada no mês passado.

A expansão prevista pelo governo, que leva em conta apenas usinas que venderão energia no mercado regulado, é liderada pelas hidrelétricas e parques eólicos, que devem adicionar 5,6 gigawatts e 2,9 gigawatts em 2016, respectivamente.

As termelétricas deverão representar 314 megawatts, sendo 169 megawatts em usinas a gás natural e 145 megawatts em biomassa.

Em 2015, a capacidade instalada cresceu 4,4 gigawatts até outubro, segundo o ministério, com 1,35 gigawatts em hidrelétricas e 1,7 gigawatts em eólicas.

Há previsão de que outros 3,6 gigawatts sejam concluídos ainda neste ano, sendo 2,2 gigawatts hídricos e 1,4 gigawatt eólico, o que levaria a capacidade adicionada no ano a 8 gigawatts.

Solares em 2017

As usinas fotovoltaicas contratadas em leilões mais recentes pelo governo federal deverão entrar em operação em 2017, quando é estimado que o Brasil adicione 1,7 gigawatts em usinas solares à matriz elétrica.

A fonte representaria, assim, 17 por cento dos 9,9 gigawatts que o governo espera que entrem no sistema em 2017. As eólicas responderão por 2,7 gigawatts, enquanto as hidrelétricas liderarão novamente, com 4,5 gigawatts.

A projeção para 2017 foi reduzida ante os 10,1 gigawatts esperados no boletim do mês passado