06/01/2016

Consumo pode registrar um novo recuo neste ano

O sistema elétrico brasileiro pode repetir o fraco desempenho observado no ano passado e registrar nova queda do consumo em 2016. Apesar de o governo prever oficialmente uma elevação de 1% do consumo em relação a 2015, especialistas consideram a estimativa otimista e acreditam que o consumo vai patinar ou recuar novamente este ano.

A projeção oficial de 1%, feita em dezembro, em conjunto pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE) e o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), já era uma revisão para baixo da previsão anterior, de 2,4%. Com a divulgação ontem pelo operador, do dado final do consumo em dezembro, de 65.306 megawatts (MW) médios, a variação entre o projetado para 2016 e registro real de 2015 já passou para uma alta de apenas 0,8%.

“Na sua última revisão, o ONS previa crescimento de 1% no consumo em relação a 2015. O desempenho já foi baixo em relação a 2014. Esse seria um crescimento ínfimo, e achamos que foi uma previsão otimista. O ano de 2016 deve empatar com 2015”, disse o diretor da consultoria Thymos Energia, João Carlos Mello.

“A sensação no setor é de que [o consumo] talvez caia [em relação a 2015]. O verão não está tão quente”, afirmou o sócio-diretor da consultoria GV Energy, Pedro Machado, explicando que a temperatura mais amena neste verão, em relação ao anterior, pode demandar um volume menor de energia.
“O que passamos hoje é algo esperado em função da forte retração de demanda. Mas temos que olhar o copo ‘meio cheio’. A retração na demanda não deixa de ser um bom indicador, pois reduz a pressão sobre os problemas financeiros do setor”, disse Eduardo Bernini, ex-presidente da AES Eletropaulo e sócio-diretor da consultoria TempoGiusto.

De acordo com dados divulgados ontem pelo ONS, o consumo de energia no sistema brasileiro caiu 1,8% em 2015, em relação ao ano anterior. É a primeira queda do consumo desde 2009, quando houve um recuo de 1,1%, devido à crise financeira internacional.

Em dezembro do ano passado, o consumo de energia recuou 0,5%, ante igual mês do ano anterior. Em relação a novembro de 2015, o resultado apresentou um avanço de 0,6%. De acordo com o operador, apesar do baixo desempenho, o comportamento da demanda no Sistema Interligado Nacional (SIN) apresentou em dezembro um “ligeiro avanço”, em relação aos meses anteriores. “Basicamente, com essa crise, perdemos três anos de mercado”, disse Mello, da Thymos Energia.