14/01/2016

Risco de falta de energia nas regiões Sudeste e Nordeste é zero

Apesar das chuvas abaixo da média histórica em dezembro, Comitê avalia que, com o acionamento das usinas térmicas, há sobra de energia para este ano

O risco de déficit de eletricidade em 2016 nas regiões Sudeste/Centro-Oeste e Nordeste é zero, de acordo com nota divulgada nesta quarta-feira, 13, pelo Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico (CMSE). Para o colegiado, o Sistema Interligado Nacional (SIN) dispõe das condições para o abastecimento da carga prevista no País este ano, de 64.573 megawatts médios de energia, com uma sobra estrutural de 9.359 MW médios.

Em janeiro de 2015, o risco de faltar energia no ano passado era de 4,9% na região Sudeste/Centro-Oeste e de 1,2% no Nordeste. Em seu pior momento, o risco para a região Sudeste/Centro-Oeste chegou a 7,3% em fevereiro, enquanto o máximo tolerado pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) é de 5%.

Apesar de 2016 começar em condições bem mais favoráveis do que as do começo do ano passado, o CMSE destacou que as chuvas em dezembro continuaram abaixo da média histórica para o período nas regiões Nordeste (28%) e Norte (29%). Na região Sudeste, ficaram próximo do esperado (99%) e na região Sul choveu o equivalente a 294% da média do mês.

O risco zero de falta de energia calculado pelo CMSE para 2016 considera que todas as térmicas de custo de operação (CVU) de até R$ 600/MWh continuarão despachadas até o fim da estação úmida. Pelas regras da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), quando térmicas até esse valor estão em operação, os consumidores continuam pagando a bandeira vermelha nas contas de luz.