15/04/2016

Vendas de empresas do setor elétrico crescem 11,9% em 2015, diz Economática

As vendas das empresas do setor elétrico apresentaram crescimento de 11,9% entre os anos de 2015 e 2014. Consolidação feita pela consultoria Economática mostra que o total das vendas em 2015 é de R$ 186,3 bilhões contra R$ 166,5 bilhões de 2014. As vendas nominais, sem ajuste pela inflação do setor, só não apresentam crescimento constante desde 2009, devido ao resultado do ano de 2013, quando as receitas caíram 11,09% com relação ao ano de 2012. O maior crescimento se registrou em 2014 com relação ao ano de 2013, com 25,5%. O resultado do setor sem a Eletrobras no ano de 2015 com relação a 2014 é de 12,8%, com um total de R$ 153,7 bilhões contra R$ 136,3 bilhões em 2014.

A Eletrobras é a empresa do setor com maior volume de vendas em 2015, com R$ 32,5 bilhões, que é um total de 17,5% do setor. Em segundo lugar aparece a Cemig, com 11,4% ou R$ 21,2 bilhões. Logo atrás vem a CPFL Energia, a primeira privada da lista, com R$ 20,2 bilhões. Das 24 empresas da amostra, quatro têm queda de faturamento em 2015 com relação a 2014: a CEEE-GT, a Duke Energy Geração Paranapanema, a Eneva e a Cesp.

Se considerarmos o resultado da Eletrobras em 2015, o setor registra prejuízo de R$ 2,22 bilhões. O melhor registro do setor incluindo a Eletrobras é em 2011 com R$ 16,03 bilhões. Sem ela, em 2015 o setor registra lucro de R$ 12,2 bilhões, queda de 2,9% com relação ao ano de 2014. O melhor ano do setor sem a Eletrobras foi em 2009, com R$ 13,5 bilhões.

Mesmo com a queda de lucro em 2015 de 20,6% com relação ao ano anterior, a Cemig é a empresa com o melhor resultado em 2015, com R$ 2,49 bilhões. Da amostra, doze empresas tiveram crescimento de lucro em 2015 com relação a 2014. A Eletrobras em 2015 registrou prejuízo de R$ 14,4 bilhões, o maior prejuízo da história das empresas de capital aberto do setor e o décimo maior da história das empresas de capital aberto brasileiras.

Já a dívida do setor em 2015 cresceu 12,4%, chegando a R$ 99,19 bilhões. A Eletrobras também puxa a lista, com uma dívida de R$ 48,2 bilhões, o mesmo que 32,7% do total do setor, o que representa crescimento de 15,8% com relação ao ano de 2014. A Cemig tem dívida de R$ 15,1 bilhões, o equivalente a 10,28% do estoque de dívida do setor.