20/05/2016

Grupo criado para incentivar as energias renováveis em Sorocaba realiza primeiro encontro

O grupo formado por empresários produtores de partes e peças da indústria de renováveis da cidade de Sorocaba, em conjunto com universidades, agências de promoção, fomento e Secretaria de Energia e Mineração se reuniu nesta sexta-feira, 20 de maio, na sede da Flex, que está criando no mesmo local uma fábrica para produção de painéis fotovoltaicos.

Liderado pelo deputado federal, Vitor Lippi, o projeto conta com grupos técnicos para estudar tecnologias, cadeia produtiva, aspectos legais e regulatórios, interface comercial e a logística de escoamento da produção de itens relativos ao setor de renováveis.

“Não dá pra esperar o futuro, temos que construir o futuro. Vamos fazer uma análise atual e verificar o que precisa mudar tanto no âmbito federal, quanto estadual e municipal”, destaca Lippi.

A ideia é juntar os esforços e conhecimentos do setor acadêmico e produtivo, aliado ao fomento e legislação do setor público para criar um ambiente favorável ao crescimento das energias renováveis no Estado de São Paulo, tanto na produção de partes, peças e produtos quanto na produção e geração dessas energias.

O grupo fará um workshop em agosto para apresentar os trabalhos e discutir soluções para o setor. “Queremos ouvir o setor produtivo porque são vocês que estão no dia a dia da atividade e sabem as dificuldades e podem sugerir ações para dirimir possíveis entraves”, explica o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles.

Após a reunião os participantes visitaram as plantas da Flex e da ABB, onde são produzidos equipamentos fotovoltaicos.

O encontro contou com a participação de representantes Flex, Tecsis, ABB, Johnson Controls, Prysmian, Facens, Gás Natural Fenosa, Unesp, Fapesp, Ciesp, Ufscar, Desenvolve SP, Inova e Parque Tecnológico de Sorocaba.

Incentivo ao setor

Em agosto de 2015, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, publicou dois decretos que incentivam a produção de energia elétrica por micro e minigeradores e de peças para os setores de energia solar e eólica.

O decreto nº 61.439/2015 concede isenção de ICMS sobre a energia elétrica fornecida para microgeradores e minigeradores na quantidade correspondente à energia elétrica injetada na rede de distribuição. Já o decreto nº 61.440/2015, concede isenção de ICMS para a produção de equipamentos destinados a geração de energia eólica e solarimétrica. A medida isenta o ICMS das partes e peças de aerogeradores, geradores fotovoltaicos e torres para suporte de energia eólica.
Também estão contemplados pela medida os conversores de frequência de 1.600 kVA e 620 volts; fio retangular de cobre esmaltado de 10 por 3,55 milímetros e barra de cobre 9,4 por 3,5 milímetros.

São Paulo e as energias renováveis

São Paulo vem ampliando sua importância na geração de energia fotovoltaica. A primeira usina do Estado é a de Tanquinho, no município de Campinas, com potência de 1.082 KWp e capacidade de gerar 1,6 GWh por ano. Essa energia é suficiente para suprir cerca de 1.300 residências com consumo de 100 KWh/mês cada. A segunda usina fotovoltaica está na Cidade Universitária da USP, na capital paulista.

O Estado também conta com empreendimentos que estão sendo instalados em Dracena e Guaimbê com potência de 270 MWp e da Cesp, em Rosana, com potência de 550 kW. Existem ainda em São Paulo, conectados ao sistema, 111 empreendimentos de micro e mini geração distribuída.