31/05/2016

Subsecretaria de Mineração promove encontro técnico sobre polo cerâmico de Santa Gertrudes

A Secretaria de Energia e Mineração recebeu nesta terça-feira, 31 de maio, os principais especialistas do Brasil em cerâmica. Com o objetivo de difundir o conhecimento a respeito do desempenho operacional e ambiental da atividade de mineração no polo cerâmico de Santa Gertrudes, a Subsecretaria de Mineração promoveu uma reunião com técnicos de diversos órgãos e entidades. “Hoje, 97% da população do Estado de São Paulo está nas cidades, por isso existe uma demanda gigantesca por materiais de construção e é cada vez mais importante que essa atividade seja sustentável”, disse o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles.

Para o presidente da Cetesb – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Otávio Okano, a região apresentou nos últimos anos alguns avanços na exploração criteriosa e sustentável. “A Cetesb quer ser parceira dos produtores e não aquela fiscalizadora que vai às empresas para multar. Escolhemos o caminho de sentar e negociar. Fico satisfeito pelo tipo de trabalho que a Secretaria de Energia e Mineração está fazendo para unir os esforços e manter o Estado como carro chefe nacional na produção de cerâmica”, afirmou.

Segundo o superintendente do DNPM – Departamento Nacional de Produção Mineral, Ricardo de Oliveira Moraes, “Se não investirmos em tecnologia na mineração, não sei se o trabalho vai continuar. É preciso fazer o dever de casa e a hora da mudança é agora”, disse.

O presidente da Aspacer, Benjamin Ferreira Neto, apresentou os números do polo cerâmico de Santa Gertrudes no cenário nacional e mundial. Na sequência o engenheiro de minas, Fernando Mendes da mesma entidade apresentou algumas características da atividade de mineração na região. A gerente da Cetesb regional de Piracicaba, Ednéa Parada, mostrou a conformidade do polo com a legislação ambiental. O professor da Unesp de Rio Claro, Antenor Zanardo, expôs a caracterização da geologia dos depósito de argila na formação Corumbataí. Em seguida o geólogo consultor, Flávio de Paula Silva e o engenheiro, Carlos Loret, da Universidade de São Paulo, apresentaram temas relacionados a hidrologia da bacia do Vale do Corumbataí.

A rede de monitoramento hidrológico e superficial da Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais foi apresentada pelo geólogo José Carlos Garcia. Após a demonstração da modelagem hidrogeotécnica em minas a céu aberto apresentado pelo geólogo consultor, Jacinto Costanzo Junior, o geólogo do Instituto de Pesquisa Tecnológico, Fernando Fernandez mostrou um estudo hidrogeológico proposto pelo órgão para região. O diagnóstico ambiental para o plano diretor municipal de Rio claro, foi apresentado pelo engenheiro agrônomo, Samir Mussa. Um plano diretor de mineração para o polo cerâmico da região foi mostrado pelo geólogo do IPT, Marsis Cabral Junior. Para finalizar o plano de desenvolvimento urbano integrado para aglomeração de Piracicaba, foi exposto pelo arquiteto e vice-presidente da Emplasa, Luiz José Pedretti.

“Saímos desse encontro com a certeza de que há muito trabalho pela frente, mas com também com a certeza de que participam profissionais qualificados e com vontade de realizar uma mineração ainda melhor. São Paulo quer ter uma mineração cada vez mais responsável e o Polo de Santa Gertrudes está nessa direção”, comentou o subsecretário de Mineração, José Jaime Sznelwar.
A reunião técnica foi produzida pelo geólogo da Secretaria de Energia e Mineração, Antonio Camargo Junior e Marcos Koritiake.

Mineração no Estado de São Paulo

São Paulo é o terceiro maior produtor de bens minerais do país e o maior consumidor de insumos da cadeia de construção.  O Estado também é o maior produtor de equipamentos e insumos para a indústria mineral, empregando mais de 200 mil trabalhadores.

O Estado possui mais de 2.800 minas em operação, com 95% de produção em areia, brita, calcário e argila. Só a Região Metropolitana de São Paulo recebe, diariamente, mais de 4.500 carretas de brita. Diferentemente de outros estados, predominantemente exportadores, São Paulo é o destinatário final destes insumos, gerando riqueza e renda local.

O objetivo da Secretaria de Energia e Mineração é estabelecer uma política que estimule a produção e o atendimento da demanda compatível com outras formas de uso e ocupação do solo.

A competência pela concessão de outorga de pesquisa e exploração de recursos minerais é federal, cabendo ao estado a regulação ambiental das atividades e aos municípios a autorização para o exercício local dessas atividades.

Polo de Santa Gertrudes

O polo cerâmico de Santa Gertrudes é formado pelas cidades de Limeira, Cordeirópolis, Santa Gertrudes, Rio Claro, Ipeúna, Piracicaba e Iracemápolis. É o maior polo cerâmico das Américas em produção e o segundo maior do mundo. O Estado de São Paulo tem um papel de destaque na produção nacional de revestimentos cerâmicos, representando hoje 70% da produção nacional, com aproximadamente 600 milhões de metros quadrados por ano produzidos. Cerca de 85% da produção de todo o Estado está localizada na região de Santa Gertrudes.
O setor cerâmico paulista representa uma das maiores forças empresariais do Brasil, sendo responsável por 12 mil empregos diretos e 200 mil indiretos.