30/06/2016

Meirelles debate armazenamento de energia elétrica em seminário promovido pela AES

O secretário de Energia e Mineração do Estado de São Paulo, João Carlos Meirelles, participou nesta quinta feira, 30 de junho, do Seminário Internacional sobre Armazenamento de Energia: O Brasil está pronto?, organizado pela AES, líder global no setor de energy storage.

O evento discutiu as recentes mudanças verificadas no setor elétrico e as tendências para o futuro, que trará uma participação cada vez maior de fontes renováveis intermitentes na matriz elétrica em detrimento da geração hidráulica regularizada por grandes reservatórios.

“Armazenar água é a maneira mais competitiva para guardar energia em longo prazo. Mas é preciso que tenha disponibilidade de espaço para o reservatório e a construção precisa ser realizada de uma única vez. Já nas baterias o espaço que ela ocupa é menor, elas podem ser colocadas conforme a demanda e a resposta de conexão é praticamente instantânea”, explicou o presidente do grupo AES Brasil, Julian Nebreda.

Meirelles destacou a liderança da empresa nesse setor, que ainda está começando no Brasil, e mostrou a disposição do Governo do Estado em apoiar esse tema. “As universidades de São Paulo estão à disposição, assim como a Fapesp, para estudar tecnologias e trazer para o Brasil o conhecimento tecnológico. A questão da preparação da mão de obra é fundamental para esse novo sistema e precisamos estar sintonizados com o setor privado para acompanhar esse desenvolvimento”, disse.

O crescimento da geração distribuída e os sistemas inteligentes foram apresentados pelo diretor do Departamento de Monitoramento do Sistema Elétrico da Secretaria de Energia Enlétrica do Ministério de Minas e Energia, Domingos Romeu Andreatta, como ações que necessitarão no futuro próximo de sistemas de armazenamento de energia elétrica. “Teremos um aumento das fontes renováveis que necessitarão do aperfeiçoamento da previsão de geração e um aumento das variações de carga e de geração com reflexos na transmissão”, afirmou.

No Brasil, a AES prepara a instalação de uma usina-piloto, que funcionará na usina de Bariri, em São Paulo, com cerca de 0,5 MW conectada a um gerador auxiliar. E tem planos de construir no Brasil uma unidade de 10 MW, em local ainda a ser definido.

A AES, atualmente, tem presença com a tecnologia de baterias em sete países: Estados Unidos, República Dominicana, Chile, Irlanda do Norte, Holanda, Filipinas e Índia. Há 116 megawatts (MW) de baterias em operação, 50 MW em construção e 228 MW em estágio avançado de desenvolvimento, somando 394 MW de capacidade.

A Aneel está abrindo uma chamada pública de P&D para estudar a Inserção de Sistemas de Armazenamento de Energia no Setor Elétrico. O projeto deverá incluir o desenvolvimento de tecnologia, a instalação de uma planta piloto ou partes de um sistema de armazenamento.

Sobre armazenamento de energia

Atualmente existem 1.475 projetos de “energy storage” em todo o mundo, que totalizam 190 GW de potência, sendo 170 GW em usinas reversíveis. No Brasil existe demanda potencial de 95 GW para Sistemas de Armazenamento de Energia (SAE). Este volume seria capaz de atender a carga do país durante uma hora.