06/06/2016

Posicionamento do Ministério de Minas e Energia

O Ministro Fernando Coelho Filho, de Minas e Energia, tem como princípios que norteiam sua gestão no comando da pasta a redução do intervencionismo estatal e a estabilidade regulatória, para criar ambiente de negócios que permita às empresas realizarem investimentos com segurança e garantia de que poderão agir dentro das lógicas empresariais.

Na cerimônia de transmissão de cargo do presidente da Petrobras, Pedro Parente, Fernando Coelho Filho ressaltou esses aspectos, como ao defender que a Petrobras deverá estar livre para escolher de quais rodadas de leilão de óleo e gás vai participar, desobrigada de ser a exploradora única do Pré-Sal. Coelho Filho destacou que irá trabalhar para que isso ocorra.

A mesma lógica foi reforçada pelo Ministro sobre a deletéria política de controle de preços de combustíveis empreendida pelo governo anterior. Coelho Filho avalia que a Petrobras – e as demais empresas estatais ou de capital misto – devem ter liberdade para agir conforme avaliem ser mais salutar para a empresa, sem imposições do governo. Caberá aos Ministérios setoriais e econômicos apoiar no que for necessário para que as empresas como Petrobras e Eletrobras possam tomar suas decisões empresariais, pautadas pelos interesses de seus acionistas, o que se refletirá em benefícios para a sociedade.

O ministro Fernando Coelho Filho é contra a política de controle de preços de combustíveis, o que deve ser uma decisão empresarial. Coelho Filho defende que Pedro Parente e a direção da empresa tenham a liberdade de definir os preços de seus produtos.