22/07/2016

Tesla anuncia plano para caminhões e ônibus elétricos e carro compartilhado

Elon Musk, o presidente-executivo da Tesla Motors, delineou uma visão exaltada e futurista para sua montadora de carros elétricos, em um esforço para retomar a iniciativa depois dos revezes recentes que alguns de seus mais ambiciosos planos sofreram.

Escrevendo no blog da empresa na quarta-feira (20), Musk definiu o que descreve como uma atualização no “plano mestre” para a Tesla que ele divulgou dez anos atrás. O plano envolve expandir a Tesla para que ela produza uma linha ampla de carros, caminhões e ônibus elétricos, bem como um aplicativo para smartphones por meio do qual os donos de Teslas poderão, um dia, ganhar dinheiro alugando a terceiros os seus carros autoguiados.

Ainda que boa parte do plano pareça vaga, ecoando o hábito de Musk de despertar o interesse por meio de novas ideias muito antes que estas possam entrar em produção, ele revelou que a Tesla estava “nos estágios iniciais de desenvolvimento” de caminhões de carga pesados e de uma nova forma de “transporte urbano com alta densidade de passageiros”, dois projetos que provavelmente serão revelados no ano que vem.

Com sua mistura característica de ambição, autojustificativa e imprecisão, o desenho oferecido por Musk para o plano de dez anos parecia destinado a atrair reações céticas, em um momento no qual a Tesla enfrenta crescentes desafios.
“Como é típico, Elon Musk delineou um plano grandioso para o futuro sem cronograma e com poucos detalhes específicos, e sem menção de quando e como a Tesla se tornará lucrativa”, escreveu Michelle Krebs, analista sênior da “Autotrader”, uma revista de automóveis norte-americana.

CRÍTICAS
O post da quarta-feira surgiu um mês depois que Musk esbarrou em uma muralha de ceticismo ao fazer uma oferta pela aquisição da SolarCity, empresa de instalação de painéis solares da qual ele é presidente do conselho, pagando com ações da Tesla em valor de cerca de US$ 3 bilhões.

Os investidores se preocuparam que isso distrairia a empresa em um momento crítico, enquanto ela luta por corrigir problemas de produção persistentes, e para acelerar em dois anos a produção em massa de seu próximo carro, o Modelo 3.
A decisão de Musk de lançar uma versão rudimentar da tecnologia da empresa para carros autoguiados também atraiu críticas generalizadas, depois da notícia, no mês passado, de que uma colisão havia causado a morte do primeiro motorista ao volante de um carro autoguiado.

Em seu post, Musk ofereceu mais uma defesa inflexível da decisão da Tesla de lançar a tecnologia, conhecida como Autopilot, ainda que esta tenha sido descrita como “beta”, ou seja, em estágio de teste. Ele afirmou que a tecnologia de autocondução, “se usada corretamente”, já é mais segura que um motorista humano, o que torna “moralmente reprovável postergar o lançamento por simples medo de uma reação adversa da mídia, ou por algum cálculo mercantil quanto à responsabilidade jurídica”.

Ele também reiterou seus argumentos em favor de uma combinação entre a Tesla e a SolarCity, para que a nova empresa possa vender “um produto que combine painéis solares e baterias e simplesmente funcione, transformando cada indivíduo em usina de energia pessoal, e ampliando a escala dessa experiência até que atinja o mundo”. Foi “em larga medida um acidente histórico” que as duas empresas tenham sido criadas em separado, para começar, ele acrescentou.

PARTE DOIS
O post, intitulado, “Plano Mestre, Part Deux”, ecoava um artigo que Musk escreveu dez anos atrás no qual ele primeiro delineou seu plano de combinar painéis solares e carros elétricos em uma só empresa, e ajudar o mundo a deixar para trás a dependência quanto ao carbono e se tornar “uma economia solar-elétrica”.

Além de reiterar suas esperanças de adquirir a SolarCity e definir uma meta de tornar a tecnologia de autocondução 10 vezes mais segura que um motorista humano, Musk revelou pela primeira vez seu plano para uma linha mais ampla de veículos elétricos Tesla.

Eles incluiriam um “futuro esportivo utilitário compacto e um novo tipo de picape”, para acompanhar o atual sedã Modelo S e o Modelo 3, ele afirmou. Além disso, Musk acrescentou que esperava um dia produzir ônibus autoguiados que, por não terem motoristas, teriam maior capacidade de passageiros em um veículo menor.
“O mais recente [plano da] Tesla inclui expandir sua linha de veículos elétricos para cobrir todos os segmentos importantes em um momento no qual ela não consegue cumprir as metas de produção da limitada linha de produtos que tem agora e pelos próximos dois anos”, disse Krebs.