24/08/2016

Meirelles apresenta na Fenasucro&Agrocana o biometano como oportunidade de negócio para as usinas do setor sucroenergético


Usinas podem despachar o gás e utilizar no abastecimento da frota de caminhões

O secretário estadual de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles, apresentou nesta quarta-feira, 24 de agosto, na Fenasucro&Agrocana no município de Sertãozinho, o projeto de introdução do biometano na matriz energética do Estado de São Paulo.

O projeto consiste em fomentar as usinas paulistas a produzirem o biometano para injeção na rede de gás natural, o que significa uma nova oportunidade de negócio com geração de emprego e renda.

São Paulo conta com 166 usinas do setor sucroenergético signatárias do protocolo agroambiental. Destas usinas, 66 estão localizadas a até 20 quilômetros da rede de gás natural existente.

As usinas de cana de açúcar serão incentivadas a produzir biogás a partir dos resíduos da produção de açúcar e álcool, com o objetivo de transformá-lo em biometano. “Podemos colocar as usinas em contato com a distribuidora local para tentar viabilizar a conexão, que dependerá da distância e da capacidade de fornecimento de gás”, explica Meirelles.

Além de gerar uma nova oportunidade de negócio com a venda do biometano para a distribuidora, a produção desse gás ainda rende outras possibilidades de negócios. “As usinas podem ganhar com a melhoria da eficiência do processo com o uso do biogás nas caldeiras e no abastecimento da frota de caminhões com a redução do consumo de diesel”, destaca Meirelles.

A iniciativa está alinhada ao Programa Paulista de Biogás do Estado de São Paulo (Decreto nº 58.659, de 04/12/2012), que prevê a obrigatoriedade de injeção de um percentual mínimo de biometano no gás natural comercializado no Estado de São Paulo e cuja ênfase é o biogás produzido a partir de vinhaça.