30/09/2016

Outubro deverá ter entrada recorde de clientes no mercado livre de energia

Fonte: Folha de S.Paulo

O mês de outubro deverá registrar o maior número de migrações de consumidores para o mercado livre de energia —em que o preço é fechado com a comercializadora—, segundo a CCEE (do setor).

Hoje, existem 1.542 pedidos de adesão em aberto, e o próximo mês concentra 368 solicitações —348 delas são de clientes especiais (utilizam fontes renováveis).

O processo de adesão ao mercado livre leva em torno de seis meses, e a consolidação dos pedidos feitos em fevereiro, prevista para outubro, superou as expectativas, diz Roberto Castro, da CCEE.

“Ao mesmo tempo em que cresce a quantidade de agentes, cai o uso de energia per capita. Após a entrada de grandes consumidores, as companhias de menor porte têm aderido”, aponta.

Setembro em Mercado Aberto

Na comercializadora Delta Energia, subiu o número de supermercados e universidades na carteira de clientes.

“Até junho, a solicitação de pedidos estava bem acima da média. As empresas se armavam mais contra a crise e tinham a redução de custos como mantra”, segundo Ricardo Lisboa, da companhia.

A simplificação de regulamentações no início deste ano também incentivou a migração e reduziu prazos, diz.

A entrada maior ou menor de consumidores vai depender do período de chuvas, que começa em novembro e vai influenciar nas tarifas, lembra o presidente da Comerc, Cristopher Vlavianos.

Liguem as máquinas

O consumo de energia no mercado livre teve um aumento mensal de 2,3% em agosto, já desconsiderado o efeito da migração no período.

“A alta foi puxada pelo setor de metalurgia e pela indústria química”, afirma Roberto Castro, conselheiro da CCEE (câmara do setor).

Os segmentos, que cresceram respectivamente 12,8% e 1,7%, representam 42,5% do mercado livre total —os dados, no entanto, computam a entrada de novas cargas.

A Comerc, que vende energia a companhias de grande porte, também registrou um consumo 2,8% maior entre julho e agosto.

“Não é uma virada brusca, mas é um sinal de que as empresas se preparam para uma melhora”, afirma o presidente da comercializadora, Cristopher Vlavianos.

Na empresa, os maiores crescimentos foram dos segmentos de eletroeletrônica (9,2%) e metalurgia (5,8%).

“Como hoje a capacidade ociosa das indústrias é grande, uma retomada requer investimentos pequenos, o que pode acelerar o processo.”

Troca de marcha

A indústria automotiva prevê um crescimento pequeno no ano que vem, e projeta que a retomada ocorra só em 2018, segundo a Deloitte, que ouviu 500 executivos de empresas e entidades do setor.

Para 36,6% deles, a principal estratégia para a recuperação deverá ser o investimento em eficiência.

“Em 2017, as companhias deverão começar a retomar seus aportes. As montadoras, por serem multinacionais, conseguem trazer tecnologias de outros países com mais facilidade”, afirma o sócio da consultoria, Reynaldo Saad.

Para 28%, a principal saída à crise serão os investimentos em inovação e tecnologia. Os aportes dessa categoria, porém, também deverão ser direcionados à ampliação da eficiência, diz Saad.

Modernizações mais avançadas, como carros elétricos ou automáticos, ainda estão distantes. “As empresas sabem que esse é o futuro, mas há alguns passos para chegarmos nesse patamar.”

Para 62%, a falta de confiança dos consumidores é o maior problema do setor.

Produtividade do setor têxtil cresce com o ajuste da crise

Passado o auge da crise econômica, empresários do setor têxtil afirmam que a produtividade das companhias melhorou, aponta a Abit (associação do setor).

Na comparação entre agosto deste ano e o mesmo mês de 2015 houve aumento de 40% nos indicadores.

A mudança aconteceu especialmente entre as empresas que produzem peças, que são mais intensivas em mão de obra e menos em maquinário que as de tecelagem, diz Rafael Cervone, presidente da entidade e empresário.

“O trabalho exige muita especialização, e demora para formar um funcionário. Com a crise, houve demissões, mas o natural é que os mais experientes tenham ficado.”

O desemprego foi um fator de motivação para os trabalhadores, segundo Mateus Fagundes, presidente da Dois Rios, de lingerie.

“Os funcionários aumentaram a produtividade porque enxergam um mercado mais exigente e com menos ofertas de vagas”, afirma.