25/10/2016

Debate para setor de óleo e gás avançar pede maturidade, diz ministro

Fonte: Ministério de Minas e Energia

O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, afirmou que o país precisa discutir com maturidade sobre os esforços necessários para atrair investimentos ao Brasil, na área de petróleo e gás. Na abertura do Rio Oil & Gas 2016, no Rio de Janeiro, nesta segunda-feira (24/10), ele afirmou que a competição no setor, que é mundial, torna imprescindível o debate sobre a Política de Conteúdo Local. A cerimônia contou com a presença do Presidente da República, Michel Temer.

“Presidente, com tantos problemas que precisam ser enfrentados, com tantas pautas que ainda precisam ser vencidas, com o apoio que seu governo tem e com a sua determinação, nós temos sim ainda um longo caminho a percorrer, mas tenho certeza que o governo brasileiro já deu o primeiro passo”, afirmou o ministro.

Coelho Filho destacou, em seu discurso, que os investimentos estão voltando ao País e que as próximas medidas a serem anunciadas para o setor – como a prorrogação do Repetro e as regras de Unitização e as novidades no Conteúdo Local – apontam o caminho a ser seguido pelo segmento, que já percebe os ajustes refletidos na valorização da Petrobras e do setor como um todo.

Esse novo momento das empresas foi conseguido com a separação entre o Público e o Privado, a partir da reinstitucionalização da estatal petrolífera, avalia o ministro. “As nossas decisões são pautadas pelos melhores interesses empresariais”, afirmou o ministro.

“Temos reservas enormes, um potencial extraordinário e temos como atrair o capital nacional e estrangeiro para essa indústria. Mas temos de ter a maturidade, a sobriedade de saber que estamos disputando esses investimentos com os países da África e da América do Norte. E aí vem a autocrítica, ver onde podemos melhorar, para facilitar o trabalho de vocês para trazermos investimentos”, disse.

“Se enganam aqueles que acham que a política de conteúdo local está sendo discutida para poder beneficiar única é simplesmente a indústria de petróleo e gás. Nós precisamos encontrar o equilíbrio. Queremos que nossa indústria seja fornecedora mundial”, afirmou Coelho Filho.

Indicação de novo diretor da ANP

Na cerimônia, ao lado do presidente Temer, Fernando Coelho Filho anunciou que o nome de Décio Oddone será indicado para o cargo de diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), após o término do mandato de Magda Chambriard. Atualmente, Oddone é diretor de Óleo e Gás da Prumo, e tem passagem pela Petrobras.

“Ele é um profissional que trabalhou por muito tempo na indústria de petróleo e hoje está na área de logística, e contamos com ele para que possa nos auxiliar nessa missão de poder ajudar a indústria de petróleo ,mas acima de tudo de atender ao país”, disse Coelho Filho sobre o novo indicado.

Em seu discurso no evento, o presidente Temer destacou que as empresas estatais são consideradas bens públicos nesta gestão, e que devem ser geridas com fortalecimento de sua autonomia. O presidente citou a Lei das Estatais e a Lei das Agências Reguladoras como dois pontos que aumentam a segurança jurídica para os investidores no País.

“Este é o novo país que queremos construir, mais moderno e mais próspero”, disse Temer.

Também participam do Rio Oil & Gas 2016 o secretário-executivo do MME, Paulo Pedrosa, e o secretário de Petróleo, Gás e Combustíveis Renováveis do ministério, Márcio Félix.