18/10/2016

Falha que causou desligamento de parte de Itaipu atingiu 19 distribuidoras

Fonte: Canal Energia

Itaipu explicou que problema na transmissão não derrubou máquinas do setor de 50 Hz, que ficaram girando sem a produção de energia

A falha que afetou parcialmente estados no Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país, mas a parte central do Paraguai, ainda está sendo investigada. O problema na subestação de Furnas, no município de Ibiúna (SP), provocou o desligamento no sistema de transmissão de corrente contínua que escoa a energia do setor 50Hz da usina de Itaipu para o Brasil. Segundo a Itaipu Binacional, mesmo com a ocorrência na transmissão, todas as unidades geradoras da usina seguiram funcionando normalmente “girando em vazio”, aguardando a normalização do sistema de transmissão para retomar a produção.

No momento da ocorrência, a usina de Itaipu produzia 1.600 MW para o Paraguai e 5.200 MW para o Brasil em 50Hz de frequência. O Paraguai ficou sem energia por meia hora. O sistema todo de Itaipu para a Ande (estatal paraguaia) foi restabelecido às 21:15 horas. E no Brasil, segundo o ONS, o fornecimento já havia sido retomado às 20:24 horas com a atuação do sistema de alívio de carga (ERAC), que foi acionado e resultou no corte de apenas 3.200 MW do total que deixou de ser enviado pela usina binacional.

Em nota a Itaipu Binacional detalhou o processo ao afirmar que “no lado brasileiro, o sistema de transmissão voltou a escoar energia de 50 hertz às 23h04 e por volta da meia-noite e 40 minutos, o sistema de transmissão de corrente contínua já permitia que a usina produzisse 2.600 MW para o Brasil. À 1h52, a produção já atendia à programação normal de 4.800 MW”. “O setor 60Hz da usina de Itaipu não teve qualquer impacto negativo na sua produção, que encontrava-se em 5.700 MW no momento da ocorrência e elevou-se temporariamente para 6.400MW pela regulação primária, contribuindo positivamente para a estabilização durante a perturbação nacional”.

Segundo dados do ONS, a ocorrência afetou 19 concessionárias no país. São elas, a AES Eletropaulo, CPFL, Bandeirante, Elektro, Light,, Ampla, Cemig, DME, Escelsa, Energisa-MG, Celg, CEB, Energisa-MT, Enersul, Copel-D, Celesc, RGE, AES-Sul e CEEE-D.

Com o problema, informou o ONS no informativo preliminar diário da operação (IPDO), a geração hidráulica no submercado Sudeste/Centro-Oeste foi superior ao valor programado para compensar a menor disponibilidade de energia da UHE Itaipu para o Brasil, em face do desligamento automático do setor de 50 Hz desta usina. Já os submercados Norte e Nordeste apresentaram um ligeiro aumento de geração das hidrelétricas na região ante o que estava programado para compensar a falta de Itaipu. No SE/CO a geração a maior foi verificada entre as 19h51 e 24h, enquanto no NE a elevação durou até 23h30. A demanda máxima do domingo ocorreu às 20:38 horas, quando a carga já havia sido recomposta, alcançou 65.370 MW médios.