17/11/2016

Comitiva brasileira em Marrakech defende sobretaxa a produtos e serviços poluentes

Fonte: Agência Senado

No nono dia de trabalhos da COP 22 em Marrakech, no Marrocos, a delegação brasileira à Conferência do Clima debateu a precificação do carbono com o secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas, Alfredo Sirkis. A precificação do carbono ocorre quando se atribui um valor econômico, por exemplo, às ações de redução das emissões de gases de efeito estufa por empresas.

Para o relator da Comissão Mista de Mudanças Climáticas, senador Fernando Bezerra Coelho (PSB-PE), o Brasil precisa debater o assunto de forma mais contundente e se alinhar a exemplos internacionais, como o Canadá e a França.

— Acho que esse é um desafio que temos que colocar no Brasil. Essa discussão sequer foi iniciada, é importante, portanto, aproveitar os diversos fóruns de debate, na comissão mista, no fórum do clima, o governo federal, os governos estaduais para que a gente possa quem sabe na apreciação de uma reforma tributária, de uma reforma fiscal no Brasil já ter um viés para poder sobretaxar ou taxar os produtos que contribuem para a poluição — afirmou.
Biofuturo

Os senadores que participam da COP 22 acompanharam o discurso do ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, na plenária principal do evento. A senadora Lídice da Mata (PSB-BA) concordou com o ministro sobre a importância do trabalho conjunto entre as nações.

— Além de destacar que o Brasil está fazendo a sua parte, ele destacou as novas metas indispensáveis para que todos os países cumpram. Especialmente a ideia de que os outros países possam garantir as emissões de carbono num patamar menor e a discussão a respeito da possibilidade de compra e venda no mercado de carbono — afirmou.

Também foi lançada pelo governo brasileiro a plataforma Biofuturo, um programa global de estímulos à produção de biocombustíveis. O evento teve a participação de representantes da Agência Internacional de Energia; da FAO, Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação; e de representantes de países como China, Estados Unidos, Finlândia, França e Reino Unido, que serão apoiadores da plataforma que trabalhará na difusão de tecnologia e de desenvolvimento de biocombustíveis e bioquímicos.
Discussão mundial

A participação do Brasil é essencial na discussão mundial em torno das mudanças climáticas, disse o negociador-chefe da COP 22, embaixador Aziz Mekouar, que elogiou a qualidade técnica e política da delegação do país nas negociações do Acordo de Paris e na elaboração da regulamentação das diretrizes em curso na Conferência do Clima.

— A participação do Brasil é absolutamente essencial. A qualidade da delegação brasileira, dos negociadores brasileiros é única. O nível técnico e o nível político da delegação brasileira é, eu não digo o melhor, mas um dos melhores — afirmou Mekouar.