30/11/2016

Estudo conclui que 24 km² de painéis fotovoltaicos seriam suficientes para abastecer o DF

Fonte: Canal Energia

Trabalho da WWF e da UnB avaliou o potencial de geração de energia em prédios, casas e edifícios públicos

Estudo realizado pela WWF-Brasil em parceria com a Universidade de Brasília mostra que seriam necessários apenas 24 km² de módulos fotovoltaicos para gerar toda a eletricidade consumida no Distrito Federal. A área representa 0,41% do território do DF, que tem 5.780 km2. O trabalho foi apresentado na última sexta-feira, 25 de novembro, durante o seminário Diálogos Energéticos, em reunião do grupo de trabalho Brasília Solar.

O levantamento sobre o potencial de geração de energia solar no DF foi feito a partir de mapeamento por alunos da UnB das áreas de telhado nas cinco regiões administrativas do DF com maior renda per capita: Brasília (Plano Piloto), Cruzeiro, Lago Norte, Lago Sul e Park Way. Foram realizadas simulações quanto ao potencial de sistemas de geração em edificios e residências.

A taxa média de irradiação solar no Distrito Federal é de 5,8 kWh/m² dia. Em uma projeção considerada conservadora, um sistema fotovoltaico com rendimento total estimado em 12% é capaz de produzir 696 Wh/dia, ou 254,04 kWh/ano, para cada metro quadrado de módulo instalado. O DF tem uma população em torno de 2,8 milhões de habitantes, e consumo residencial médio de 215 kWh/mês. As residências são responsáveis por 37% da carga, o comércio por 34% e órgãos públicos por 10%.

Considerando a média de consumo, seriam necessários apenas 40% do telhado para atender 100% da carga de um prédio da capital com seis andares, oito apartamentos por andar e 1.250 m² de área. A simulação feita no estudo mostra que “com a tarifa média residencial atual de Brasília e um financiamento de 24 meses com juros reais de 10% ao ano, esse sistema se pagaria em pouco mais de seis anos. Nos dois primeiros anos, os moradores pagariam aproximadamente o dobro da conta de eletricidade nas prestações do financiamento, mas depois disso eles teriam toda a sua eletricidade gerada por mais de 20 anos, com baixos custos de manutenção.”

O documento afirma que é possível instalar sistemas de geração de maior porte em prédios públicos. A Secretaria de Educação do Distrito Federal estuda a montagem de projetos de microgeração em dez escolas públicas. Uma proposta apresentada em 2015 pela UnB e WWF ao GT Brasília Solar previa a instalação de sistemas em oito escolas da rede.

O investimento foi calculado em R$ 1,7 milhão, a um custo médio instalado de R$ 7 mil/kWp, e o retorno do valor investido ocorreria em sete anos. “O GDF [Governo do Distrito Federal] gasta, com as faturas dessas oito escolas por ano, cerca de R$ 195 mil. Com sistemas solares fotovoltaicos para suprir 100% da demanda de todas elas, num financiamento hipotético, terá uma receita de R$ 249 mil a partir do 10º ano”, calculam os autores do trabalho.