18/01/2017

Artigo: Como o petróleo incentiva as energias renováveis

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração

world_future_energy_summit_2017

Acontece nesta semana em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes, a Cúpula Mundial de Energias do Futuro (World Future Energy Summit – WFES), que tem como objetivo discutir a agenda global sobre o futuro das energias renováveis, tecnologias limpas e sustentabilidade. Durante uma semana líderes governamentais de todo o mundo e empresários de mais de 600 companhias de 32 países debaterão propostas de transição da atual matriz energética global para uma produção mais limpa e renovável.

O evento, que discute a redução do uso de combustíveis poluentes, acontece há 10 anos no país que atualmente é o sexto maior produtor de petróleo do mundo. Pode parecer estranho, mas não é. Os Emirados Árabes, apesar de terem se transformado em um símbolo de riqueza e prosperidade advindo do petróleo, querem mostrar ao mundo que o futuro está na tecnologia, na inovação e nas energias renováveis.

O Estado de São Paulo é um dos líderes mundiais na produção de energias renováveis. Enquanto o mundo apresenta aproximadamente 13% da participação de renováveis em sua matriz, o Brasil chega a cerca de 42% e o Estado de São Paulo passa de 58%.

Em 2017, São Paulo se tornará o segundo maior produtor de petróleo do Brasil e a estimativa é que a produção cresça ainda mais nos próximos anos. Isso faz com que tenhamos um horizonte promissor, assim como Abu Dhabi teve há 30 anos, mas com a vantagem de que já temos a energia renovável em nosso DNA.

Durante esta semana irei participar do WFES onde terei encontros com líderes globais na produção de petróleo e também de energias renováveis. Como estratégia do governo Geraldo Alckmin, queremos estabelecer ações conjuntas para promover uma produção de petróleo e gás natural mais sustentável e que gere impactos positivos na economia paulista e brasileira. Vamos também apresentar nossas políticas de energias renováveis e angariar ainda mais conhecimento para incentivar a produção de energia limpa.

Ainda em Abu Dhabi, irei participar do Prêmio Zayed de Energia do Futuro, que premia com até 100 mil dólares projetos de escolas que promovam o uso de energia renovável e de ações sustentáveis. Para nosso orgulho, a Escola Estadual Prof. Dimas Mozart e Silva, de Taquarituba, interior de São Paulo, é finalista do Prêmio Zayed.

Vamos torcer pelos nossos estudantes, que representam aquilo que queremos para o Estado de São Paulo, um futuro promissor com mais energia limpa e renovável.

João Carlos de Souza Meirelles, engenheiro, foi secretário de Agricultura (1998-2002) e de Desenvolvimento Econômico (2003-2006) do Estado de São Paulo. É secretário de Energia e Mineração.