11/01/2017

Expansão do sistema da CPFL Jaguari recebeu R$ 2,2 milhões em 2016

Fonte: Canal Energia

Distribuidora instalou novos medidores realizou manutenção em linhas e subestações

manutenção_rede_eletrica_cpfl

A CPFL Jaguari (SP) investiu em torno de R$ 2,1 milhões na expansão, modernização e manutenção do seu sistema elétrico nos meses de julho, agosto e setembro de 2016. Do valor total, a concessionária destinou R$ 641,2 mil na execução de projetos voltados ao atendimento dos clientes. Esses investimentos, destinados à instalação de novos medidores para clientes residenciais, industriais e comerciais e à expansão das redes elétricas, contribuíram para que a CPFL Jaguari encerrasse setembro de 2016 com 40,284 mil consumidores, contra os 39,231 mil em janeiro deste ano, uma adição de 1,053 mil clientes.

Os investimentos em melhorias na rede elétrica somaram R$ 584,3 mil e destinados a melhoramentos nas redes primária e secundária, entre outros. Já as ações de suporte de crescimento do mercado receberam R$ 93,4 mil, cujos recursos foram em subestações, linhas de transmissão e de redes de distribuição.

A CPFL Jaguari ainda direcionou R$ 301,8 mil na manutenção do sistema elétrico, que foram aplicados no plano de manutenção, na conservação de linhas de transmissão e subestações, em reparos emergenciais na rede elétrica, na troca de transformadores avariados, entre outros.

De acordo com Marco Antônio Villela de Abreu, presidente da distribuidora, todo o investimento planejado e executado pela empresa tem foco em alcançar eficiência operacional e aumentar a qualidade e a continuidade do fornecimento de energia, contribuindo para o bem-estar e a promoção do desenvolvimento socioeconômico das cidades onde ela atua

Para a Agência Nacional de Energia Elétrica a CPFL Jaguari é uma das melhores distribuidoras de energia do Brasil, se levarmos em consideração os índices de continuidade DEC e o FEC. Em média, o cliente da distribuidora ficou 6,93 horas sem energia em 2015. Já a quantidades de vezes que o consumidor ficou sem energia, na média, foi de 4,61 vezes no ano passado, o terceiro melhor índice brasileiro. Para ter uma base de comparação, os consumidores brasileiros ficaram, na média, 18,61 horas sem energia em 2015 e o FEC foi de 9,87 vezes.