22/02/2017

Indústria ensaia consumo maior de energia

Fonte: Valor Econômico

consumo_energia

Após três anos seguidos de queda no consumo de energia, as indústrias do país começam a dar sinais de recuperação. Além do crescimento do consumo do segmento em dezembro de 2016, dados coletados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) indicam que a classe industrial mantém a trajetória de alta nos dois primeiros meses de 2017. Os destaques foram os setores de mineração e veículos.

De acordo com dados da CCEE, na primeira quinzena de fevereiro, o consumo de energia dos grandes consumidores (grupo formado principalmente por indústrias) avançou 11%, ante igual período de 2016, para 11.030 megawatts (MW) médios. A comparação, porém, foi influenciada pela ocorrência do feriado do Carnaval no início de fevereiro do ano passado. Desconsiderando este fator, a alta teria sido de 0,1%.

Em janeiro, os grandes consumidores utilizaram 9,78% mais energia que no mesmo mês de 2016. O resultado também foi influenciado pela ocorrência do feriado do réveillon naquele ano (em 2017, o dia 1º de janeiro caiu em um domingo). Mesmo sem este fator, porém, o resultado foi um aumento de 2%.

Os sinais positivos detectados pela CCEE este ano também foram observados pela comercializadora Comerc Energia. O Índice Comerc Energia, feito com base nos dados da sua carteira de clientes, composta por mais de 700 grupos industriais, teve alta de 0,71%, em janeiro, ante igual período de 2016. Nessa comparação, os destaques foram os segmentos de veículos e autopeças (alta de 16,75%) e têxtil, couro e vestuário (10,14%), enquanto o consumo do setor de materiais de construção recuou 16,18%.

“A produção de automóveis chegou a cair para 118 mil em fevereiro do ano passado, mas, em janeiro deste ano o país voltou a pouco mais de 149 mil unidades. Esses dados, quando cruzados com os do Índice Comerc Energia, indicam que o setor começa a reagir de forma consistente”, diz Cristopher Vlavianos, presidente da empresa.

O primeiro sinal positivo com relação a indústria veio da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). Segundo a estatal, o consumo do setor industrial em dezembro de 2016, de 13.453 gigawatts-hora (GWh), foi 0,9% maior que o observado em igual período de 2015 – a primeira alta nesse tipo de comparação desde março de 2014.

A manter esse desempenho, o setor industrial poderá registrar o primeiro aumento de consumo de energia anual desde 2013, quando avançou 0,6%. Em 2014, ocorreu a primeira queda, de 3,6%. No ano seguinte, novo recuo de 5,3%. E, em 2016, a classe industrial registrou queda de 2,9%, totalizando um consumo de 164 mil GWh – voltando ao patamar de 2009.

Segundo a diretora da consultoria Engenho, Leontina Pinto, os primeiros sinais de elevação do consumo no segmento industrial estão vindo de setores de metais e mineração, intensivos em consumo de energia. De forma geral, segundo ela, a indústria ainda não apresenta um crescimento acentuado do consumo de energia. “O fato é que toda a parte de mineração, que consome energia na veia, está sentindo uma retomada”, afirmou.

De acordo com os dados da CCEE relativos à primeira quinzena de fevereiro, os quatro maiores segmentos consumidores de energia registraram alta no uso de eletricidade: metalurgia (1,56%), químico (1,94%), extração de minerais não-metálicos (7,1%), extração de minerais metálicos (0,95%).

Para Paulo Mayon, diretor da comercializadora Compass, ainda é cedo para confirmar uma recuperação da indústria. “Tem uma indefinição muito grande sobre retomada do crescimento “, afirmou o executivo ao Valor no fim de janeiro. “A verdade é que não sabemos como isso vai se comportar Há apostas de retomada no segundo semestre e tem muita gente ainda mantendo previsão de retomada mais para 2018. Nossa visão coincide com um pouquinho mais de conservadorismo e não temos percebido na atividade industrial e no planejamento deles nada muito alvissareiro em 2017”, disse Mayon.