05/04/2017

EUA exportam mais petróleo e reduzem déficit

Fonte: Valor Econômico

petroleo americano

O déficit comercial dos Estados Unidos registrou uma queda significativa em fevereiro, refletindo uma retração recorde das importações da China, enquanto as exportações americanas aumentaram pelo terceiro mês seguido, em especial de petróleo.

O déficit comercial americano caiu para US$ 43,6 bilhões em fevereiro, número 9,6% menor que o déficit de US$ 48,2 bilhões apurado em janeiro, segundo informou ontem o Departamento do Comércio. As exportações cresceram 0,2% para US$ 192,9 bilhões. As importações recuaram 1,8% para US$ 236,4 bilhões, com o fluxo de produtos chineses encolhendo US$ 8,6 bilhões, liderado por uma grande queda nas importações de telefones celulares.

O politicamente sensível déficit comercial com a China diminuiu para US$ 23 bilhões em fevereiro, 26,6% abaixo do total de janeiro. Mesmo assim, o déficit americano com a China é maior do que com qualquer outro país. O presidente dos EUA Donald Trump, que criticou duramente as práticas comerciais chinesas durante a campanha presidencial, terá seu primeiro encontro com o presidente chinês Xi Jinping esta semana na Flórida.

A alta das exportações em fevereiro foi liderada pelos automóveis e autopeças, cujas vendas aumentaram 1,5% para o maior nível desde julho de 2014. Já as exportações de produtos de petróleo cresceram 8,6%. Esses ganhos ajudaram a compensar a queda das exportações de aviões comerciais, produtos agrícolas e motores industriais.

Na conta petróleo, destaque para a China que importou 8,08 milhões de barris dos EUA, quase quatro vezes o volume de janeiro. Os EUA se tornaram o maior fornecedor da commodity da China. Isso ajudou a elevar as exportações americanas para o recorde de 31,2 milhões de barris no mês.

O déficit comercial é a diferença entre as exportações e as importações. Um déficit maior reduz o crescimento econômico como um todo porque significa que o país está comprando mais produtos de estrangeiros do que de companhias domésticas. O déficit no ano passado foi de US$ 500,6 bilhões.

O déficit dos EUA com o México cresceu 46% em fevereiro, para US$ 5,8 bilhões, enquanto que o déficit com o Canadá, o outro parceiro do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta), caiu 38,1% para US$ 2,1 bilhões. O déficit com a União Europeia caiu 18,6% para US$ 9,4 bilhões, liderado por uma queda de 9,2% no déficit com a Alemanha.