13/04/2017

Unica e CCEE entregam para Copercana primeiro Selo Energia Verde

Fonte: Canal Energia

Iniciativa certifica empresas produtoras e consumidoras de bioeletricidade

selo verde unica

Representantes da União da Indústria de Cana-de-Açúcar e da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica entregaram, no último dia 10 de abril, o primeiro Selo Energia Verde a um consumidor de energia no mercado livre, a Copercana. A iniciativa, lançada em 2015, certifica empresas produtoras e consumidoras de energia limpa e renovável vinda da bioeletricidade. Neste caso específico, a Copercana torna-se contratante de energia da fonte de biomassa, da usina Viralcool.

Na cerimônia de entrega do Selo, o presidente do Conselho de Administração da CCEE, Rui Altieri, destacou a relevância da ação, uma vez que o segmento da biomassa sempre esteve à frente na evolução do setor elétrico. Na sequência, Elizabeth Farina, presidente da UNICA, complementou que a bioeletricidade tem um papel estratégico na indústria sucroenergética, especialmente no momento em que diversos países assumiram compromissos ambientais para reduzir emissões de gases de efeito estufa, apostando cada vez mais em renováveis.

Marcos Molezin, gerente de Controladoria da Copercana, espera que o Selo seja renovado em 2018. Ele aposta no mercado que trouxe muitos benefícios, tanto econômicos quanto ambientais. O gerente espera dar exemplo a outros consumidores livres e assim, fortalecer o setor. A energia adquirida pela Copercana será utilizada em cinco supermercados, uma unidade de armazenamento de grãos e no escritório administrativo, instalados nos municípios de Sertãozinho, Jaboticabal, Pitangueiras, Serrana e Pontal, no interior de São Paulo.

As usinas geradoras de bioeletricidade recebem o Selo Energia Verde desde que atendam a critérios de sustentabilidade e requisitos de eficiência energética, além de estarem adimplentes junto à CCEE e associadas à Unica, por exemplo. Atualmente, 55 usinas detêm o Selo. Essas empresas produzem energia para consumo próprio e, ao longo de 2017, devem ofertar para o Sistema Interligado Nacional mais de 8 TWh, número equivalente a mais de 50% da geração de energia elétrica pelas usinas a carvão no Brasil ou 8% do que foi produzido por Itaipu em 2016.