09/05/2017

Acidentes de origem elétrica estão matando mais pessoas, revela estatística

Fonte: Abracopel

tomada-e1452089233427

Os dados da Abracopel – Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade confirmam que no ano de 2016, 653 pessoas perderam suas vidas em acidentes de origem elétrica. Destas, 599 mortes foram por choque elétrico, 33 mortes em incêndios gerados por curtos-circuitos e 24 por descargas atmosféricas (raios).

Estes e outros dados estão contidos no 1º Anuário Estatístico dos Acidentes de Origem Elétrica lançado pela Abracopel ao lado de outro documento igualmente importante, o Raio-X das Instalações elétricas brasileiras. Ambas as publicações mostram que se as instalações elétricas das casas dos brasileiros estão ruins – o resultado, infelizmente, não poderia ser diferente: os acidentes.

A pesquisa (Raio-X), conduzida pelo Procobre – Instituto Brasileiro do Cobre – e pela Abracopel em mais de 1000 residências brasileiras em todo o território brasileiro, revela que somente 29% delas possuem projeto elétrico – sendo 25% elaborados por eletricistas; 48% dos imóveis não possuem o condutor de proteção (fio terra) instalado e apenas 27% das moradias possuem DR, um dispositivo de proteção que, ao interromper a fuga de corrente, reduz o risco das consequências de um choque elétrico. Para o diretor-adjunto do Procobre, Antonio Maschietto: “O cenário é bastante preocupante e mostra a necessidade de readequação das instalações elétricas, principalmente dos imóveis com idade média de 20 anos de construção”.

Essa preocupação se justifica ao verificarmos que os acidentes ocorridos dentro de residências somaram 173 mortes em 2016. Além das mortes por choque elétrico dentro de casa, os incêndios originados por sobrecarga e/ou curtos-circuitos vêm traçando uma ascendência alarmante: em 2013 foram 200 casos registrados que subiu para 295 em 2014. Em 2015 o salto foi assustador: 441 incêndios e em 2016, o crescimento continuou com 448 casos de incêndios, sendo a maioria em residências. Em 2016 foram registradas 33 mortes nestes incêndios, 30 delas em residências.

Um dado inédito divulgado no lançamento do Anuário revela os números do primeiro trimestre deste ano. Em 2017, entre janeiro e março, ocorreram 212 mortes em acidentes de origem elétrica, sendo 190 mortes por choques elétricos, 15 mortes por descargas atmosféricas (raios) e 07 mortes em incêndios originados em curtos-circuitos. Das mortes ocorridas por choques elétricos, 65 ocorreram dentro de residências (casas, apartamentos, sítios, fazendas) e 60 mortes ocorreram na rede aérea de distribuição.

“São números que não param de subir. E mesmo com ações de conscientização realizadas em todo o país como seminários para profissionais, concurso para a garotada, prêmio de jornalismo, dentre vários outros realizados pela Abracopel, temos a sensação de que estamos longe de, ao menos, estacionar esses dados”, alerta o diretor executivo da Abracopel, engenheiro Edson Martinho.

O lançamento do Anuário Estatístico de acidentes de origem elétrica é mais uma dessas ações da Abracopel. O objetivo é municiar os profissionais das mais diversas mídias com dados relevantes que possam se transformar em matérias de alerta e conscientização para a população brasileira.

O Anuário está disponível para download, bem como, a Pesquisa das instalações elétricas.