01/06/2017

Com o apoio da Secretaria de Energia e Mineração, o Hospital das Clínicas terá sistema de cogeração de energia a gás natural e solar fotovoltaica

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração

Acordo que envolve AES, Comgás e Ecogen prevê a instalação de sistema que economizará mais de R$ 1 milhão por mês em energia elétrica

O Hospital das Clínicas e os institutos localizados no complexo entre as avenidas Dr. Arnaldo e Rebouças, na Capital paulista, serão abastecidos futuramente por energia elétrica produzida a partir do gás natural e da solar fotovoltaica.

Uma iniciativa das Secretarias Estaduais de Energia e Mineração e da Saúde resultou na assinatura nesta quinta-feira, 1 de junho, de um memorando de entendimentos entre o Hospital das Clínicas, a AES Eletropaulo, AES Tietê, Comgás e Ecogen, que apresentará um estudo de viabilidade de implantação do projeto de eficiência energética, que contempla cogeração a gás natural, geração de energia fotovoltaica, troca do sistema de iluminação e modernização da infraestrutura de ar condicionado.

“Esse é um sistema em que todos ganham. O HC terá uma energia firme com baixa possibilidade de interrupção, a Comgás ganhará um novo cliente de grande porte e a AES ampliará a sua capacidade de oferta na região, sem a necessidade de investir em expansão”, explica o secretário de Energia e Mineração, João Carlos Meirelles.

Com a instalação do sistema de cogeração, previsto para 2018, o Complexo das Clínicas deverá ter uma redução de até 10% na energia consumida atualmente, o que corresponde a uma economia anual de mais de R$ 1 milhão. O investimento previsto para a implantação do sistema será realizado pelas empresas privadas totalizando R$ 38 milhões.

“O Governo que controla seu custeio e amplia a oferta de hospitais tem um desafio muito grande. Por isso, são ações inovadoras como essa que necessitamos e daremos todo o apoio para a instalação no Hospital das Clínicas. Somos parceiros de todos os tempos”, destacou o secretário estadual da Saúde, David Uip.

Além do Hospital das Clínicas, deverão ser beneficiados os Institutos da Criança, Coração, Câncer, Central, Ortopedia e Traumatologia, Psiquiatria, Radiologia e o Departamento de Conservação e Construção, além do prédio da administração, dos ambulatórios e do Centro de Convenções Rebouças.

“Esse projeto é emblemático e mostra que esse trabalho conjunto das empresas de gás e energia elétrica só traz ganhos para a população”, disse Eduardo Acquaviva. Para o diretor da Comgás, Carlos Bréscia, “essa deverá ser a primeira parceira de várias”.

“Ficamos contentes em participar desse processo e de manter a tradição história da nossa empresa de estar presente nos momentos de inovação do Estado de São Paulo”, disse o vice-presidente de Assuntos Regulatórios da AES Tietê, Sidney Simonaggio.

Segundo levantamento realizado pela Secretaria de Energia e Mineração, o Complexo das Clínicas deverá contar com três plantas de cogeração, com um total de 5 megawatts (MW) de potência. Além de gerar a energia elétrica necessária para abastecer uma região que atende diariamente cerca de 42 mil pessoas, essa cogeração produzirá toda a água gelada do complexo, usada principalmente no resfriamento do ar condicionado.

“Estamos muito felizes em realizar um projeto inovador que servirá de exemplo para outras instituições em um futuro próximo”, disse o superintendente do Hospital das Clínicas, Antônio José Rodrigues Pereira.

O sistema contará também com placas solares fotovoltaicas espalhas pelos telhados dos prédios, que deverão gerar mais de 600 megawatts/hora por ano (MWh/ano) de energia limpa e renovável.

Ainda está prevista a troca de toda a refrigeração das unidades com a substituição dos atuais aparelhos por um sistema central de ar condicionado, silencioso, que refrigera o ambiente de maneira uniforme com menor consumo de energia.

Na parte interna do Complexo, está prevista a troca de mais de 4 mil lâmpadas por led, que serão instaladas na mesma luminária existente, o que representa uma economia de mais de 600 MWh/ano.

“Vamos fazer uma modernização massiva do aparato do HC. O objetivo é dar 99,9% de segurança energética ao maior complexo de saúde da América Latina”, afirmou o subsecretário de Energia Elétrica, Henrique Ferraz.

Para que todo esse sistema moderno e inovador funcione, deverão ser instalados motogeradores a gás natural, chillers por absorção, trocadores de calor, torres de resfriamento, painéis elétricos, bombas, tubulações e outros periféricos.

“A partir do projeto do HC queremos levar esse modelo de cogeração a gás natural para outros hospitais do Estado, dando segurança energética a instalações que não podem correr o risco de ficar um minuto sem energia elétrica”, destaca Meirelles.

Segundo David Uip os hospitais que poderiam receber a solução de cogeração e eficiência energética em uma próxima etapa seria o Emília Ribas e as unidades de São José do Rio Preto, Bauru e Ribeirão Preto.

Esse projeto de cogeração pode ser replicado por qualquer empresa que demande uma gestão energética flexível, que alie o atendimento seguro de suas necessidades de energia elétrica e climatização de ambientes à redução de custos operacionais.