23/06/2017

Subsecretário de Energias Renováveis participa da assinatura de criação do Centro de Pesquisa Fotovoltaica entre Unicamp e BYD

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração com Canal Energia

Antonio Celso de Abreu Junior acompanhou a assinatura da carta de cooperação que prevê repasse de R$ 5 milhões até 2020 nas atividades de P&D

unicamp, byd, secretaria de energia mineração

A Unicamp – Universidade Estadual de Campinas e a fabricante chinesa BYD do Brasil, assinaram na manhã desta quarta-feira, 21 de junho, uma carta de cooperação que prevê o repasse para a universidade de mais de R$ 5 milhões até 2020. A intenção é fundar um Centro de Pesquisas Fotovoltaicas e estabelecer parcerias em atividades de pesquisa e desenvolvimento científico e tecnológico. A solenidade contou com as presenças do reitor Marcelo Knobel, do pró-reitor de Pesquisa Munir Skaf, do vice-ministro de Indústria e Tecnologia da Informação da China Xin Guobin, da vice-presidente mundial da BYD Stella Li, do presidente da BYD no Brasil, Tyler Li e do Subsecretário de Energias Renováveis do Estado de São Paulo, Antonio Celso de Abreu Junior.

“Mais um importante passo é conquistado para a evolução da energia solar fotovoltaica. Somente com o investimento em pesquisa de novas tecnologias e aperfeiçoamento nos tornaremos cada vez mais competitivos no mercado global de renováveis, que movimentou mais de US$ 300 bilhões em 2016, gerando oito milhões de empregos, sendo 900 mil no Brasil”, disse o subsecretário de Energias Renováveis, Antonio Celso.

Segundo o reitor da Unicamp, Marcelo Knobel, a cooperação vai contribuir com pesquisas de base e aplicadas, trazendo o conhecimento da Universidade e a sua força de trabalho para os estudos que possam ser úteis para o desenvolvimento sustentável do país e do mundo.

Na opinião do pró-reitor de Pesquisa, a parceria vai abrir novas possibilidades na área de pesquisa fotovoltaica. Munir Skaf detalhou a competência da Unicamp na área, por meio de três unidades de pesquisa: a Faculdade de Engenharia Elétrica e de Computação, o Instituto de Física “Gleb Wataghin” e a Faculdade de Engenharia Mecânica.

De acordo com a vice-presidente da BYD, Stella Li, o compromisso da empresa com a instituição é criar um centro de pesquisa que será referência no país nessa matéria. Para ela, isso certamente levará a novas colaborações e parcerias, além da criação de empregos na busca por um desenvolvimento sustentável.

A BYD, com cerca de 20 mil engenheiros pesquisadores em seu corpo de funcionários ao redor do mundo, inaugurou em abril deste ano, em Campinas, uma fábrica de painéis solares. Em 2015, a empresa já havia instalado na cidade uma fábrica para produção de ônibus elétrico e comercialização de veículos e empilhadeiras. O investimento da BYD é uma contrapartida do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico da Indústria de Semicondutores e Displays, do governo federal, programa no qual a companhia está inscrita. O aporte será feito anualmente e de forma gradual, sempre em função do faturamento em P&D. Em 2017 e 2018, o percentual é de 4% e em 2019 e 2020 chegará a 5% do faturamento líquido no mercado interno.