18/07/2017

CPFL Piratininga contabiliza mais de 400 desligamentos por pipas

Fonte: Canal Energia

Companhia alerta que pipas que ficam enroscadas nos fios, podem causar falta de energia até mesmo nos meses seguintes

desligamento_por_pipa

A CPFL Piratininga divulgou dados sobre desligamentos pela utilização de pipas próximas à rede elétrica, referentes ao período de férias de janeiro de 2017. Segundo a distribuidora, foram 414 casos de acidentes envolvendo um brinquedo por si só inofensivo, mas que traz transtornos quando utilizado de forma inadequada, podendo causar acidentes e interrupções de energia elétrica.

A companhia alerta que pipas que ficam enroscadas nos fios, podem causar falta de energia até mesmo nos meses seguintes. Isso ocorre porque a linha, enrolada nos cabos elétricos, ou a vareta se tornam condutores de energia e provoca curtos circuitos quando chove. Nos anos anteriores a quantidade de acidentes na região também foi grande: em 2015, ocorreram 606 desligamentos em janeiro, e 913 em julho. Em 2016, foram 463 desligamentos em janeiro, e 725 em julho.

No intuito de garantir a segurança da população e a qualidade do fornecimento de energia elétrica, a empresa faz um chamado para que pais e responsáveis acompanhem e instruam crianças e adolescentes ao utilizarem o brinquedo. Os acidentes podem ser evitados com alguns cuidados e medidas, como escolher um local longe da fiação elétrica, como campos abertos e parques com áreas planas, e longe do entorno de rodovias ou das avenidas de intenso movimento.

Entre as dicas, a distribuidora ressalta que a tentativa de resgatar uma pipa enroscada na fiação também pode provocar desligamentos no fornecimento de energia e causar acidentes com vítimas. A instrução, nesses casos, é jamais tentar retira-lo.

Além disso, o uso do cerol (mistura de cola, limalha e vidro moído) ou da chamada “linha chilena” é considerado crime penal capitulado nos artigos 129, 132 e 278 do Código Penal Brasileiro, além do artigo 37 da Lei das Contravenções Penais. No estado de São Paulo também é considerado crime utilizar cerol (Lei Estadual – Nº 12.192, de 06 de Janeiro de 2006), e sua formulação pode conter limalha de ferro, que provoca curtos-circuitos e choques elétricos, além de ser um risco para ciclistas e motociclistas.