05/07/2017

Em Diadema, Paulo Sassi apresenta as ações do Estado de São Paulo para o desenvolvimento das energias renováveis

Fonte: Secretaria de Energia e Mineração

Sassi apresentou o presente e o futuro das energias renováveis no Estado de São Paulo

M3

Em comemoração ao Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado dia 5 de junho, a prefeitura de Diadema e a Secretaria do Meio Ambiente do município organizaram diversas atrações como oficinas de materiais recicláveis, hortas verticais, gincanas e palestras sobre o tema. O assessor executivo da Subsecretaria de Energias Renováveis da Secretaria de Energia e Mineração, Paulo Sassi, participou da mesa redonda “Matriz Energética”, onde apresentou a matriz energética brasileira e as ações do Estado de São Paulo para o desenvolvimento das energias renováveis. O encontro ocorreu na fundação Florestam Fernandes, nesta quinta-feira, 29 de junho.

“Neste mês entraram em operação de teste as primeiras torres eólicas de São Paulo. Ainda este ano seremos o segundo Estado com maior número de ligações de geração fotovoltaica. Isso tudo mostra como o Governo de São Paulo está trabalhando para aumentar a participação das fontes renováveis na matriz energética”, afirmou Sassi.

O assessor parabenizou a iniciativa da divisão de Educação Ambiental do município pelo evento e destacou que “enquanto o mundo tem 13,7% de energias renováveis, o Brasil possui 41,8% e São Paulo se destaca com 58% graças ao uso da biomassa, outra fonte limpa”, disse Sassi.

A Subsecretaria de Energias Renováveis trabalha no planejamento e na execução de ações que visam fortalecer ainda mais as energias renováveis na matriz energética paulista.

Energia Solar

Além de manter uma das matrizes energéticas mais limpas do mundo, o objetivo do Governo do Estado de São Paulo é promover o desenvolvimento de novas tecnologias, a inovação e a geração de emprego e renda para a população paulista.

A principal utilização da energia solar é o aquecimento de água no segmento residencial e comercial com a utilização de sistemas abertos para o aquecimento de piscinas e de sistemas fechados para aquecimento prévio ou total de banhos.

A instalação dos sistemas fotovoltaicos permite a troca da energia elétrica com as concessionárias de distribuição e pode propiciar uma considerável economia na conta de luz devido a sua vida útil de 15 a 20 anos em média.

A Subsecretaria de Energias Renováveis realizou o levantamento do potencial de energia solar no Estado de São Paulo. Este estudo, que pode ser acessado no site da Secretaria, identificou o potencial existente de 12 TWh/ano e mostrou as localidades com a maior faixa de energia incidente global em termos técnicos e econômicos.

A primeira usina do Estado é a de Tanquinho, no município de Campinas, com potência de 1.082 KWp e capacidade de gerar 1,6 GWh por ano. Essa energia é suficiente para suprir cerca de 1.300 residências com consumo de 100 KWh/mês cada. Existem ainda outros empreendimentos cadastrados no Estado com destaque para as instalações na Cidade Universitária e no Parque Villa Lobos, ambos na capital.

Atualmente, são 2.112 instalações em casas, comércios e indústrias, com potência instalada de 11,15 MW. Crescimento de 6.000% na potência instalada em relação a 2014.

As unidades vinculadas ao Governo do Estado de São Paulo já estão analisando e efetivando a implantação de sistemas térmicos e fotovoltaicos. Um dos exemplos mais marcantes é a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano – CDHU que instalou equipamentos de aquecimento solar térmico nas unidades habitacionais. A medida representa significativa redução no consumo de energia, economia na conta de luz e redução do impacto ambiental.