24/08/2017

Abegás espera crescimento de 13% no mercado de GNV em 2017

Fonte: Brasil Energia

Em junho, consumo do gás natural em todos os segmentos caiu 0,85% em comparação igual período de 2016, somando 58,01 milhões de m³/dia

gnv aumento

A Abegás espera que em 2017 chegue a 13,5% o crescimento do consumo do gás natural veicular (GNV) no Brasil. Em junho, o consumo do combustível subiu 7,41% em comparação com junho de 2016, passando de 4,8 milhões de m³/dia para 5,213 milhões de m³/dia. Houve retração de 0,48% com relação a maio (5,237 milhões de m³/dia). Mas na comparação semestral, houve variação positiva de 8,8%, passando de 4,8 milhões de m³/dia para 5,2 milhões de m³/dia.

Ao todo, o consumo de gás natural no Brasil apresentou queda de 0,85% em junho deste ano, frente ao mesmo mês do ano passado, ao passar de 59,01 milhões de m³/dia para 58,01 milhões de m³/dia. Frente a maio, quando foram consumidos 62,82 milhões de m³/dia, houve retração de 6,7%. As informações fazem parte de levantamento estatístico da Abegás, divulgado nesta terça-feira (22/8).

No acumulado do primeiro semestre de 2017 foram consumidos em média 57,8 milhões de m³/dia de gás natural saindo de 60,6 milhões de m³/dia em igual período de 2016, o que representa uma redução de cerca de 4,8% neste comparativo.

Demais segmentos 

Por segmento, a indústria registrou queda de 4,1% frente ao consumo de junho do ano passado, ao passar de 28,5 milhões de m³/dia para 27,3 milhões de m³/dia. No comparativo com maio, quando foi registrado volume de 27,8 milhões de m³/dia, o consumo caiu 1,6%. Porém, no acumulado do ano, houve aumento de 1,6% frente aos seis primeiros meses do ano passado, passando de 26,1 milhões de m³/dia para 26,6 milhões de m³/dia.

O consumo termelétrico subiu 3,54% em junho deste ano quando comparado com junho do ano passado, passando de 15,1 milhões de m³/dia para 15,6 milhões de m³/dia, mas houve queda de 29,26% frente a maio deste ano (22,1 milhões de m³/dia). No comparativo do primeiro semestre, a retração foi de 6,62%, ao sair de 19,7 milhões de m³/dia para 18,4 milhões de m³/dia, como reflexo do menor despacho das usinas térmicas.

O segmento residencial mostrou uma queda de 0,25% em junho deste ano, quando comparado com o mesmo mês do ano passado, saindo de um 1,394 milhão de m³/dia para 1,390 milhão de m³/dia. Porém, na comparação com maio deste ano, quando foi consumido 1,289 milhão de m³/dia, houve avanço de 7,41%. Já no comparativo do primeiro semestre deste ano com igual período de 2016, houve crescimentode 9,37%, passando de 982,6 mil m³/dia para 1,074 milhão de m³/dia.

O consumo comercial caiu 7,25% em junho deste ano, quando comparado com junho de 2016, saindo de 862 mil m³/dia para 800 mil m³/dia. Mas com relação a maio, quando foram registrados 776 mil m³/dia, houve crescimento de 3,13%. No acumulado do primeiro semestre, o segmento mostrou uma retração de 6,20%, ao sair de 797,4 mil m³/dia para 747,9 mil m³/dia, como resultado da desaceleração econômica do país, de acordo com a Abegás.

A cogeração registrou alta de 6,44% em junho deste ano quando comparado com o mesmo mês do ano passado, ao passar de 2,3 milhões de m³/dia para 2,5 milhões de m³/dia, mas houve variação negativa de 8,17% quando comparado com maio deste ano, quando foram consumidos 2,7 milhões de m³/dia. No comparativo semestral, foi registrado aumento de 5,40%, ao passar de 2,382 milhões de m³/dia para 2,511 milhões de m³/dia, acompanhando a ligeira recuperação do segmento industrial.